Moradores elogiam mudanças no tráfego aéreo no entorno da Lagoa

As mudanças em rotas e altitudes dos voos dos helicópteros que utilizam o espaço aéreo nas imediações da Lagoa Rodrigo de Freitas, instituídas pelo Departamento de Controle de Espaço Aéreo (Decea), já surtem efeitos aos moradores do local. Integrantes das associações de moradores da Urca e Botafogo afirmaram, em reunião com representantes da Helisul Taxi Aéreo - empresa que possui a concessão do terminal de passageiros do Heliponto da Lagoa - e da Associação dos Operadores de Helicópteros da Lagoa (AOPHEL), que estão satisfeitos com as alterações que já reduziram o barulho causado pelas aeronaves na região.

Desde o último mês de agosto, os helicópteros que voarem em direção ao Cristo Redentor devem subir a 2.500 pés (762 metros) a partir do meio da Lagoa Rodrigo de Freitas. A rota que antes trafegava pela área residencial do Jardim Botânico a 500 pés (cerca de 150 metros), agora passa a 1.500 pés (aproximadamente 450 metros) e não há mais tráfego sobre a área do Humaitá. 

A rota Lagoa-Santos Dumont também sofreu alteração. Como alternativa, o Decea apresentou a via que passa pelo Jardim de Alah e segue pela orla sem trafegar sobre a área urbana, reduzindo o ruído no local.

Os voos panorâmicos da Helisul serão realizados no período diurno (das 9h ao por do sol). Conforme determinação do Decea, no Cristo Redentor, as aeronaves estão proibidas de circular o sobre o braço direito do monumento, que só pode ser apreciado por turistas a 600 metros de distância, no entorno do Corcovado. A volta ao Pão de Açúcar também fica excluída dos trajetos.

De acordo com a Helisul e a Aophel, o Decea entrou em contato com seus pilotos que apresentaram a solicitação para realizar voos acima de mil pés (300 metros) no meio de Lagoa e sobre a área urbana do Jardim de Alah até chegarem ao mar, no que foram prontamente atendidas. “As medidas já estão sendo aplicadas pela Helisul e estão sendo implantadas gradativamente pelas empresas associadas à Aophel como forma de minimizar qualquer desconforto para a população”, afirma o coordenador de voos no Rio da Helisul, o comandante Antonio Carlos Soares.