Líder religioso indiano quer reduzir violência no Rio 

Sri Sri Ravi Shankar recebeu chave da cidade e assinou acordo com prefeitura

O líder religioso indiano Sri Sri Ravi Shankar, fundador da Arte de Viver e considerado o quinto homem mais influente da Índia, quer ajudar a reduzir a violência nas escolas e bairros cariocas, bem como o estresse dos servidores municipais. Este é o conteúdo do termo de cooperação assinado na tarde desta segunda-feira (3), entre sua ONG e o poder público municipal. 

Durante o encontro com o prefeito Eduardo Paes, ele também foi presenteado com a chave da cidade.

A visita à residência oficial do prefeito foi rápida. Shankar chegou em um carro com seus assessores. Usando óculos escuros e túnica, o indiano ficou pouco mais de dez minutos. Simpático, ele acenou para a multidão de jornalistas que o esperava na entrada, mas não falou com a imprensa.

Durante a rápida conversa, o guru e Paes falaram sobre um termo de cooperação entre a prefeitura e a ONG Fundação Arte de Viver. O termo proposto por Shankar, quatro vezes indicado ao Nobel da Paz, promete trabalhar para a "redução da violência nas escolas e nos bairros", "redução de estresse para todos os servidores da cidade do Rio de Janeiro" e com um programa para estudantes da rede de ensino do município, entre outros pontos. 

Prefeito não explica como projeto será aplicado na prática

Entusiasmado com a assinatura do acordo, Paes derrapou ao tentar explicar de que forma os ensinamentos passados pelo líder religioso através de sua ONG podem ser aplicados pela prefeitura do Rio. Inicialmente, ele relacionou a ideia com o projeto das clínicas da família:

"Eu acho que tem um espaço enorme nas clínicas da família. A gente já faz isso de certa maneira nas academias da terceira idade, algumas clinicas também fazem yoga", opinou.

No entanto, questionado sobre como isso poderia ser implantado de maneira objetiva, o prefeito assumiu que o tema ainda não foi tratado:

"Na prática, tem de perguntar para os profissionais de saúde ou de meditação", desvencilhou-se.