Após protesto de moradores na Maré, policiamento é reforçado 

Depois de um protesto contra a morte de dois homens baleados durante operação do Batalhão de Operações Especiais (Bope) na Favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, o policiamento foi reforçado na Avenida Brasil e na Linha Vermelha. As duas vias foram fechadas por manifestantes que acusam os policiais de agirem com truculência e de terem matado um homem inocente.

As duas vias foram interditadas por um grupo de moradores durante cerca de 15 minutos. A ação, segundo o Bope, tinha como principal objetivo checar informações passadas ao disque-denúncia sobre o paradeiro de um dos chefes do tráfico de drogas naquela região. 

Informações da Polícia Militar dão conta que Diones Nunes da Silva e Fabricio de Souza Melo morreram em confronto na comunidade. Eles teriam sido levados ainda com vida para o Hospital Geral de Bonsucesso, por volta das 9h30, mas, segundo informações fornecidas pelo hospital, morreram em seguida. 

Familiares, amigos e vizinhos de Fabricio, no entanto, contaram ao Jornal do Brasil que logo após ser atingido, Fabricio não foi socorrido pelo agentes. "Nós tentamos nos aproximar, mas os policiais não deixaram que socorrêssemos o meu irmão. Deixaram ele morrer sem socorro!", contou o irmão da vítima.

De acordo com a diretora de uma ONG local, Fabricio não era traficante, trabalhava num lava a jato na comunidade, estuda em escola pública e estava matriculado num projeto de inclusão social para aprendizado de boxe.