Inea restringe voos panorâmicos, mas regra só vale para uma operadora

O Instituto Estadual do Meio Ambiente (Inea) e o Instituto Chico Mendes anunciaram, nesta terça-feira, o primeiro passo para que o voos panorâmicos de helicópteros em pontos turísticos da Zona Sul do Rio deixem de incomodar moradores, principalmente pelo excesso de barulho. Rotas foram restritas e radares fiscalizarão o nível dos ruídos. Contudo, o acordo foi firmado com apenas uma das operadoras de voos - a Helisul -,  sob o argumento de que ela é a que realiza o maior número de voos na região. Atualmente, 11 empresas atuam na região.

O acordo determina que haja modificações em 11 rotas de voos panorâmicos: a altitude mínima subiu de 500 para mil pés (o que representa 333 metros), os helicópteros terão de passar a 600 metros de distância do Cristo Redentor (anteriormente, o limite era de 100 metros), e no Pão de Açúcar não poderão mais ser feitos voos circulares, só em direção ao mar e por dentro da Urca.

Além disso, não serão mais realizados voos urbanos em Botafogo, Jardim Botânico e na Lagoa Rodrigo de Freitas. As aeronaves irão sobrevoar áreas despovoadas como o Parque da Tijuca ou seguir pela orla para chegar aos seus destinos. Os horários também foram modificados: Agora, helicópteros poderão circular apenas das 9h até o pôr-do-sol. Voos noturnos não serão mais permitidos. 

O secretário estadual do Meio Ambiente, Carlos Minc, calcula uma redução de 60% no impacto sonoro sobre os bairros afetados pelas mudanças.

"As paisagens podem ser vistas da mesma forma, mas agora sem importunar o sono ou a tranquilidade das pessoas", conclui Minc. 

Apesar de o acordo ter sido firmado somente com uma das 11 empresas que realizam voos panorâmicos no Rio, Carlos Minc espera que as mudanças alcancem em breve os outros operadores. Ele afirmou que as mudanças serão passadas para o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) para que futuramente as medidas contemplem toda a cidade.

A presidente da Associação de Moradores da Fonte da Saudade e Adjacências, Ana Simas, comemorou as restrições. Para ela, o grande número de helicópteros sobrevoando a Lagoa oferecia um risco iminente por se tratar de uma área muito povoada. As mudanças só tendem a beneficiar a população:

"Os helicópteros estavam incomodando muito, vinham de todos os lados, dia e noite. A sensação dos moradores era de que iam pousar na nossa cabeça"

O Inea e o Instituto Chico Mendes também instalaram quatro medidores de ruídos, que ficarão localizados na Urca, Jardim Botânico, Humaitá e Botafogo. Nos próximos dois meses, serão feitas medições diárias de ruído para identificar a eficiência das novas medidas e determinar outras possíveis mudanças.