Quadrilha de assaltantes liderada por advogada é desarticulada pela PF

Líder da quadrilha foi identificada através de adesivo "É Bom ser do Bem" 

Uma advogada criminalista e outras quatro pessoas foram presas na manhã desta sexta-feira(13) pela Polícia Federal durante operação que desarticulou uma organização criminosa que praticava roubos a cargas em São Gonçalo e Niterói, Região Metropolitana do Rio.

De acordo com o delegado da Delegacia de Polícia Federal de Niterói, Hylton Vieira, a quadrilha era liderada pela advogada Liliane Nazareth Mota, de 31 anos. A advogada passou a comandar a quadrilha depois que o namorado dela foi preso em julho do ano passado, também por roubos de cargas. Com ela foi encontrado um revólver calibre 38 sem registro. Também foram recolhidos celulares, computadores e várias carteiras de trabalho, indicando que a quadrilha ‘esquentava’ este tipo de documento.

Segundo o delegado, o modus operandi da quadrilha era sempre o mesmo. Um sujeito a pé se aproximava do carro dos Correios e rendia o motorista. O carteiro era obrigado a descarregar as encomendas no local e então era liberado pelos bandidos. Após a saída do carteiro a advogada chegava em seu veículo e recolhia os pacotes.

Cinco Mandados de Prisão Preventiva e dois Mandados de Busca e Apreensão foram expedidos pela 2ª Vara Federal de São Gonçalo. Foram presos Liliane Nazareth Mota, Fabrício Vieira Brito, Alan Arneiro Barta e Gleyson Antunes de Aguiar. Segue foragido Jalmir Rodrigues Lopes, o ‘Gordo’.

A PF identificou a organização através do adesivo "É Bom ser do Bem" estampado no carro da advogada, o mesmo que era utilizado nos assaltos. 

 

Como os agentes chegaram à quadrilha

Desde o ano passado dezenas de assaltos a diversas cargas foram praticados em São Gonçalo. Em julho de 2011 três homens foram presos praticando este crime e, na ocasião da prisão, Liliane Nazareth se apresentou como advogada dos criminosos. Os policiais suspeitaram do envolvimento da advogada com os criminosos e notaram que ela se dirigia a delegacia em um automóvel Agile preto, com o adesivo "É Bom ser do Bem".

Posteriormente um assalto foi filmado onde um Agile preto com o mesmo adesivo foi identificado sendo conduzido por uma mulher loira com as características de Liliane, confirmando a suspeita da polícia. Foi feita então a quebra do sigilo telefônico dela, sendo constatado que a localização da advogada coincidia com a de onde os crimes foram cometidos.