PMs do Batalhão de Choque são acusados de estupro na Rocinha

Passados cinco meses da ocupação da favela da Rocinha, na Zona Sul do Rio de Janeiro, por forças de segurança, quatro policiais militares do Batalhão de Choque (BPChq), que participam da Força de Pacificação são acusados de estuprar uma mulher. Um exame de corpo de delito feito na vítima confirma as lesões.

Uma investigação está sendo conduzida pela 14ª DP (Leblon), onde a vítima prestou depoimento. Lá, a mulher de 36 anos segue presa acusada de furtar uma bolsa de outra moradora no interior da favela. 

Responsável pelas investigações, o delegado Gilberto Ribeiro pediu à Justiça a prisão dos PMs. A Corregedoria Geral Unificada (CGU) também investiga o caso. 


Suposta tortura

A suposta vítima contou à Polícia Civil ter sido amarrada dentro de sua casa, por um policial identificado como Cid Lima dos Santos. Em seguida, outro agente, identificado como Renan Ribeiro de Souza a teria atingido com socos, chutes e golpes com toalha molhada. O mesmo policial, ainda de acordo com o depoimento, teria cometido uma agressão sexual contra a mulher.

Em nota, a Secretaria de Segurança afirma que o secretário José Mariano Beltrame "determinou à CGU o máximo de rigor nas investigações relacionadas a esse caso".