Evento que relembraria o golpe de 64 acaba em pancadaria e cusparadas

Uma manifestação, contra o evento que relembrava no Clube Militar o Golpe de 1964, assustou quem passava pela Avenida Rio Branco, no Centro do Rio, na tarde desta quinta-feira (29). Com a chegada de militares ao prédio - entre eles um general - muitos manifestantes cuspiram contra os participantes do evento, além de gritarem xingamentos como "torturadores" e "assassinos". No protesto estavam estudantes e integrantes do grupo Ocupa Rio, que chegaram a fechar a avenida.

Com a aglomeração de manifestantes obstruindo a passagem dos militares, homens do Batalhão de Choque foram chamados e, ao disparar bombas de efeito moral e tiros de bala de borracha, feriram dois manifestantes e um cinegrafista da Globonews. Algumas pessoas foram levadas pela polícia, mas liberadas em seguida.

Segundo testemunhas que acompanharam o episódio na Cinelândia, o enfrentamento entre manifestantes e militares deu-se não apenas na entrada do grupo no prédio do Clube Militar, mas também na saída. Neste momento, ao se depararem com os xingamentos dos que aguardavam do lado de fora, militares debocharam jogando beijos e pedindo "paz e amor". 

A atitude causou ainda mais revolta aos estudantes, que, segundo testemunhas, perseguiram alguns militares. Houve quem só conseguisse deixar o prédio com escolta policial. 

De acordo com o site do clube, o evento “1964- A Verdade” estava marcado para as 15h desta quinta, no Salão Nobre da sede. Os painelistas convidados eram o jornalista Aristóteles Drummond, Dr. Heitor De Paola e o general  Luiz Eduardo Rocha Paiva, com mediação de Ricardo Salles.

"Nosso objetivo era constranger estes militares assassinos que nunca foram punidos pelas mortes que têm nas costas. Este evento do qual vieram participar é uma afronta à sociedade. A verdade sobre 1964 todos já sabemos", esbravejava uma estudante da Universidade Federal do Rio de Janeiro em frente do Edifício Marechal Duque de Caxias.