Um ano após tragédia em Friburgo, famílias rurais retomam produção 

Mesmo com 80% de sua população na área urbana e com uma forte vocação para o turismo, Nova Friburgo, na Região Serrana, é um importante polo de produção agrícola no Estado do Rio de Janeiro, no que se refere à exploração da olericultura, floricultura, fruticultura e agroindústria. 

Assim como na cidade, os produtores rurais que vivem dessas atividades foram fortemente atingidos pelos efeitos da catástrofe climática de janeiro do ano passado.

Hoje, no entanto, quem visita as áreas rurais do município encontra agricultores em situação muito melhor do que há um ano. Com os R$ 4,5 milhões liberados diretamente para os agricultores familiares, 691 projetos de reconstrução foram executados, minimizando significativamente os prejuízos dos produtores e permitindo que comunidades inteiras superassem os efeitos da tragédia sobre a economia e a qualidade de vida local.

Imediatamente após as chuvas, a secretaria estadual de Agricultura e Pecuária deslocou máquinas do Programa Estradas da Produção para a região afetada, que atuaram na desobstrução de estradas vicinais e no apoio ao resgate às vítimas. Na mesma semana, técnicos das empresas vinculadas à secretaria (Emater-Rio e Pesagro-Rio) iniciaram visitas às áreas atingidas para avaliar as ocorrências e viabilizar o atendimento aos produtores.

A localidade de Conquista, área pertencente à microbacia de mesmo nome, foi uma das mais castigadas em Nova Friburgo. Lá vive o produtor de mel Dalton Gripp, com a esposa e duas filhas. Ele atua há 15 anos no ramo, produzindo e comercializando cinco variedades de pão de mel em sua agroindústria familiar. Em sua atividade, o produtor tem apoio da secretaria estadual de Agricultura, através do Programa Prosperar, que tem por objetivo aumentar a oferta de emprego e a renda na área rural.

Dalton teve um prejuízo de quase R$ 50 mil, resultado de alagamentos e deslizamentos de terra que atingiram sua propriedade. No dia da chuva, o primeiro andar de sua casa ficou coberto por 1,5m de água. Na área de produção, a lama destruiu equipamentos, matou suas colmeias e inutilizou baldes de mel.

O apicultor teve apoio financeiro do Programa Rio Rural, no valor de R$ 25 mil, não reembolsáveis, e assistência dos técnicos da Emater-Rio para retomar sua produção. Ele adquiriu trinta novas caixas de abelhas, reformou a área de produção e recuperou equipamentos como centrífuga e decantador, entre outros.

Graças ao apoio financeiro do programa, somado à ajuda da família, amigos e voluntários, o produtor pôde se recuperar. Segundo ele, o resultado disso é que as encomendas não param mais.- Por incrível que pareça, minha estrutura de trabalho hoje está bem melhor do que há um ano. O próximo passo será montar um receptivo turístico em minha propriedade, de olho nos visitantes de Friburgo - planeja Dalton.

Segundo o assessor técnico regional do Rio Rural, Gerson Yunes, o trabalho foi crucial para reerguer as comunidades e também para estimular o associativismo. Com os investimentos e a dedicação da equipe técnica local, o programa garantiu a retomada da produção friburguense e devolveu a esperança aos agricultores familiares.

Além do apoio direto do Rio Rural Emergencial e do Programas Estradas da Produção, a secretaria estadual de Agricultura e Pecuária, através da Emater-Rio, prestou assistência aos agricultores familiares na obtenção de linha de crédito emergencial do Pronaf, no valor de R$ 2 mil, na prorrogação dos vencimentos das outras linhas de crédito rural e no pagamento do seguro agrícola aos produtores.