Complexo do Alemão terá internet grátis 

Programa será lançado dia 31 de janeiro e atenderá cerca de 80 mil pessoas do Morro do Adeus 

O secretário de Ciência e Tecnologia, Alexandre Cardoso, anunciou, nesta sexta (13), a implantação do Programa Estado Rio Digital no Complexo do Alemão a partir do dia 31 de janeiro. O projeto será instalado gradativamente em cinco áreas da região. A primeira atenderá parte do Morro do Adeus, beneficiando, aproximadamente, 80 mil moradores. 

A Rede Alemão Digital começará a funcionar na área que compreende as ruas Tangara, João Fontoura, Aquiri, Engenheiro Manuel Segurado e Estrada do Itararé.

- Quando o programa estiver totalmente implantado, serão beneficiados mais de 300 mil habitantes, o que deve acontecer até o meio do ano. Em cada uma das cinco áreas, instalaremos 39 antenas para a recepção do sinal de banda larga. Durante todo o processo de instalação, teremos equipes com quatro monitores que irão detectar, junto com os moradores da comunidade, os possíveis problemas - explicou o secretário.

Segundo Alexandre Cardoso, todo o processo de implantação foi debatido com as lideranças comunitárias do Complexo do Alemão. - Eles serão os nossos grandes parceiros no programa. Como as antenas serão instaladas nas lajes das casas, pedimos às lideranças para orientar as crianças a não soltarem pipa nas proximidades para evitar o risco da linha prender nas antenas. As sedes das associações servirão de base para os monitores atenderem aos moradores que tiverem problemas de acesso, o que é muito comum nesta etapa de implantação - disse.

Áreas do Alemão Digital

Assim que a primeira fase do programa estiver em funcionamento, outras áreas do Complexo do Alemão e da Vila Cruzeiro serão atendidas pelo projeto. Dentro da programação, a área 2 abrangerá as ruas Roberto Silva, Dr. Miguel Vieira Ferreira, Euclides Farias, Major Rego, Antônio Rego - entre a Travessa Leonardo e a Estrada Itararé.

- A delimitação por áreas não quer dizer que somente os moradores de determinas ruas receberão o sinal. O que os técnicos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e da Pontifícia Universidade Católica (PUC) fizeram foi criar zonas de sinal, facilitando a implantação do programa. Desta maneira, as pessoas que morarem naquele perímetro irão receber o sinal – relatou o secretário.