Corpo da mediadora de conflitos do Afroreggae é sepultado em Caxias

O corpo da mediadora de conflitos do grupo Afroreggae Tânia Cristina Moreira, de 44 anos, foi sepultado na tarde deste sábado em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A mulher foi assassinada, depois de ser sequestrada em Vigário Geral, onde morava com sua família. 

O cortejo ocorreu no Cemitério Tanque do Anil, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, mesma região onde seu corpo foi encontrado. A Polícia Civil investiga quem seria o assassino. Ainda neste sábado, parentes e amigos da vítima serão ouvidos por investigadores da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense.

Entenda o caso

Mães de dois filhos, Tânia Cristina foi retirada de dentro de sua casa, em Vigário Geral, por dois homens armados. Os criminosos puseram a vítima dentro de um carro e seu corpo só foi encontrado no dia seguinte.

De acordo com o delegado da 60ª DP (Campos Elíseos), Robson da Costa, o corpo da mediadora estava num matagal, localizado na região do Jardim Ana Clara, em Campos Elíseos, na Baixada Fluminense. Ela estava vestida e havia um ferimento no rosto.