Complexo do Alemão ganha fábrica para reaproveitar computadores usados

O Governo do Estado inaugurou, na manhã desta terça-feira, a Fábrica Verde do Complexo do Alemão, a unidade pioneira de um novo programa instituído pela Secretaria do Ambiente, o Território e Cidadania. A fábrica tem o objetivo de reaproveitar microcomputadores usados, doados por instituições públicas e privadas, e, ao mesmo tempo, capacitar jovens de 17 a 29 anos, recrutados nas próprias comunidades, para recuperar e instalar esse tipo de equipamento. A solenidade de inauguração, na manhã desta terça-feira (25/10), contou com a presença do vice-governador e coordenador executivo de Infraestrutura, Luiz Fernando Pezão, representando o governador Sérgio Cabral.

Segundo o secretário do Ambiente, Carlos Minc, o plano é ampliar esse tipo de fábrica que transforma lixo eletrônico em inclusão digital para outras comunidades pacificadas da capital. E, mais ainda, abrir nessas áreas da cidade unidades de aprendizagem e de confecções de moda, com o aproveitamento de material reciclável, e de jardinagens comunitárias, nos mesmos moldes da Fábrica Verde. Esses projetos também fazem parte do programa Território e Cidadania, coordenado pela Superintendência de Projetos da Secretaria.

Segundo o secretário, a idéia surgiu da necessidade de o Governo do Estado inserir um componente socioambiental no contexto da vitoriosa e emblemática política de retomada e pacificação de territórios antes dominados pelo poder paralelo. A proposta foi elogiada pelo vice-governador.

– Esta experiência vem ao encontro do que sempre pensamos para essas comunidades durante as obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), o de ter o Estado mais presente aqui. E começar por uma fábrica verde, em que computadores usados possam ser reutilizados por quem necessita em vez de serem jogados fora, poluindo rios, canais e ruas, além de serem fontes de renda e de ensinamento de jovens, é extraordinário, uma ação que devemos levar para outras comunidades – pregou Pezão.

A Fábrica Verde irá capacitar durante os próximos dois anos 720 jovens do Complexo do Alemão. Serão 120 alunos por trimestre que vão acompanhar e aprender a recuperar e montar dois mil computadores. Os cursos serão ministrados por quatro técnicos, com supervisão de dois professores da Unisuam (Centro Universitário Augusto Motta). Os aparelhos recuperados vão ser instalados nos primeiros seis telecentros públicos a serem criados nessas comunidades e em espaços públicos, como igrejas e escolas. Em funcionamento há cerca de um mês e meio na Avenida Itaoca 1.961, em Bonsucesso, a fábrica já recuperou cerca de 50 das primeiras 300 máquinas doadas por instituições, como o Instituto Vital Brasil, Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), entre outras.

Cada aluno recebe uma ajuda de custo de R$ 120 por mês. Ao fim da primeira etapa do projeto, os 12 com melhor aproveitamento nos cursos serão contratados pelo programa, ganhando inicialmente um salário mínimo, para trabalhar na própria fábrica ou nos telecentros.

– Além de transformar o lixo eletrônico em inclusão digital o projeto dá uma formação para jovens das comunidades e ainda um emprego para os melhores colocados. As atividades da fábrica contribuirão para o fortalecimento de uma consciência ambiental e para a disseminação da cultura da reciclagem de materiais entre moradores das comunidades do Complexo do Alemão – ressaltou Minc.

Também estiveram presentes ao evento o secretário de Obras, Hudson Braga, a presidente do Inea, Marilene Ramos, e o presidente da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), Wagner Victer, entre outros.