Marinha: recrutas foram infectados com o vírus da Influenza B

Os mais de 50 recrutas internados no Rio após passarem mal durante treinamento do curso de fuzileiros navais  estão com o vírus da Influenza B. A afirmação é do Capitão de Fragata da Marinha e médico do Centro do Controle de Infecções do Hospital Marcílio Dias,  André Delorenzi, que participou de uma coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira para falar sobre o assunto. 

Segundo ele, dos 12 primeiros exames, sete deram positivo para Influenza B. O resultado dos outros exames é aguardado para os próximos dias.  A Influenza B  é uma doença transmitida por vias respiratórias, comum em aglomerados, como creches, escolas e quartéis. 

Também participaram da entrevista, o comandante do Centro de Instrução Almirante Milcíades Portela Alves (Ciampa), em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, Eder Sampaio, e o capitão de Mar e Guerra, Anderson da Costa Medeiros.

>>> Marinha: Apesar de diagnóstico de Influenza B, Cedae vai analisar água

>> Mãe de recruta internado: Marinha tem que parar de maltratar os filhos dos outros

>> Especialista: recrutas podem ter problemas de saúde durante o resto da vida

No total, 24 recrutas e três instrutores permanecem internados atualmente no Hospital Marcílio Dias. Dos 57 pacientes que deram entrada, 38 receberam alta ontem à noite. No entanto, mais cinco pessoas foram internadas ontem e três, hoje.

Os médicos garantiram que durante os exercícios praticados pelos recrutas no Ciampa não houve proibição de ingestão de líquidos. Segundo eles, os recrutas estavam hidratados e nenhum dos internados apresentou sinais de desidratação. 

No entanto, o comandante Eder Sampaio admitiu que faltou água durante um dia inteiro no Centro devido a problemas hidráulicos. Para evitar a desidratação do grupo, no entanto,um reservatório teria sido providenciado. Sampaio disse ainda que todos os homens do Ciampa - cerca de 800 incluindo recrutas e instrutores - foram vacinados contra a Influenza B.

O Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais teve início no dia 8 no Ciampa, com 637 alunos matriculados. Os defensores públicos André Ordacgy e Daniel Macedo revelaram que sete dos 57 recrutas visitados na tarde de segunda-feira reclamaram da falta de água no Ciampa. Os recrutas do Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais foram hospitalizados depois que passaram mal com febre, tosse e coriza.