Sósia de Lula comemora aprovação popular no balcão

Marcelo Fernandes, Jornal do Brasil

RIO - Quem passa em frente ao simpático estabelecimento da Rua Ferreira de Andrade, no bairro do Cachambi (Zona Norte), pode até pensar que se trata de um comitê eleitoral ou uma sede do PT, mas é só conhecer o proprietário que o nome, Botequim do Lula, torna-se uma ideia boa demais para ser desperdiçada.

Há cerca de oito meses, o empresário carioca Lula (ele quase implora para não ter o nome verdadeiro publicado), pensava em como batizar o seu novo empreendimento, um bar. Após imaginar dezenas de nomes diferentes, optou por Botequim do Lula, sugestão dada por sua filha caçula, Adriana de Oliveira, 21.

No início, meu pai resistiu, por achar que os clientes não aprovariam e que seria algo muito político. Mas, depois, todo mundo começou a encher o saco dele, e ele acabou aceitando diverte-se Adriana, que trabalha no caixa do bar à noite e estuda para se tornar comissária de bordo.

Sósia do presidente do Brasil, Lula, o do bar, é definido por clientes e funcionários como uma figura sociável e prestativa, semelhante ao seu alter ego político. Além do bar, Lula tem uma empresa de promoção de eventos.

Sobre os clientes, ele diz que ninguém nunca reclamou da homenagem ao sósia. Lula recorda apenas uma confusão, quando o imóvel estava em obras, mas o letreiro, que tem uma caricatura do presidente (ou seria do dono do bar?) já aparecia. Um morador passou e disse que não acreditava que alguém pudesse fazer uma apologia daquelas a Lula.

Minha mulher tentou explicar ao homem que o Lula era eu, o dono do bar, e que era igual ao Lula de Brasília, mas ele não acreditou. Depois, quando o bar abriu, ele veio aqui, e quando me conheceu, entendeu a piada relembra Lula, que votará em Dilma Rousseff na disputa presidencial deste ano, a primeira desde a redemocratização na qual ele não poderá votar no xará.

Sobre o alardeado gosto do presidente por uma cachacinha, ele diz que, nisso, são diferentes:

Gosto de uma cervejinha, mas não estou podendo beber por ordem médica.

Freguesia

O clima no interior do estabelecimento é mais de descontração do que político, como atestou o casal de metroviários Daniele, 33, e Fabiano, 34.

Pensamos que era homenagem também, mas é só ver a cara do dono que você percebe a razão do nome. Além disso, ele é muito simpático, o que acaba conquistando os clientes opinou Daniele, que, assim como o marido, se confessou apolítica antes de devorar, as filhas, Gabriele, Natália e Clara, a elogiada batata frita com queijo da casa.