Guerra no Rio: 60% dos moradores deixaram morro invadido no Rio

Portal Terra

RIO - Assustados com a onda de violência após o início de uma disputa entre facções rivais nos morros da zona norte do Rio de Janeiro, cerca de 60% dos moradores do morro dos Macacos, em Vila Isabel, zona norte do Rio de Janeiro, abandonaram suas casas e foram para outras comunidades. A informação foi dada pelo presidente da Associação de Moradores do Parque Vila Isabel, Mário Lima, em entrevista ao Jornal do Terra, na manhã desta segunda-feira.

Segundo Lima, grande parte dos moradores do morro dos Macacos está sem luz desde o final de semana, porque os transformadores foram atingidos por balas e a empresa responsável pelo serviço se recusa a atender a comunidade. Boa parte dos crianças também ficaram sem aula. "A semana passada quase nao teve aula. Os moradores que têm filhos que medo, uma situação calamitosa".

Acusado de ser um dos responsáveis pela invasão ao morro dos Macacos no dia 17 de outubro, Fabio Luiz Gonçalves dos Santos, 27 anos, o Binho da Matriz, foi levado para a Polinter de Neves, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. De acordo com o comissário Jaime da Silva, chefe do grupo de investigações criminais, havia denúncias de uma tentativa de resgate do preso por parte de traficantes do morro da Matriz. No momento da prisão, ele teria tentado subornar os policiais para evitar a detenção. Binho foi autuado em flagrante por porte de munição de calibre restrito, associação para o tráfico e tentativa de suborno.

Ao longo de toda a semana passada, a Polícia Militar desencadeou operações em várias favelas do Rio de Janeiro, entre elas o Complexo da Penha, como resposta à tentativa de invasão do Morro dos Macacos por criminosos no último dia 17. Na ocasião, várias pessoas morreram, entre elas três policiais que estavam em um helicóptero derrubado por traficantes. Em decorrência dos confrontos, 42 pessoas morreram no Rio.