Em Niterói, o freguês monta o seu até com purê de batata

Caio de Menezes, Jornal do Brasil

RIO - Do outro lado da Baía de Guanabara, uma tendência é observada nas barracas de cachorro-quente espalhadas pelas ruas de Niterói: os clientes têm a liberdade de montar seus sanduíches da maneira que a fome pedir. O vendedor põe a salsicha e o molho no pão, e o consumidor adiciona, a seu gosto, os mais variados complementos. O leque de opções vai de purê de batata a presunto, passando por champignon, carne moída, requeijão e chedar, sem falar nos tradicionais ovos de codorna, batata palha, queijo ralado, milho, ervilha e uva-passa.

Os fregueses que estão de dieta e tentam manter-se longe de uma grande quantidade de calorias também têm vez. Para eles, há opções de incrementar o lanche com folhas de alface e agrião, além de pedaços de cenoura e beterraba.

No Hot Dog da Delma, em frente à Câmara de Vereadores niteroiense, na Praça da República, as opções são fartas. Segundo a atendente Lidiane Mota, tamanha oferta é o diferencial do negócio.

Vendemos em média 100 cachorros-quentes por dia, a variedade é nosso carro chefe. Alunos de escolas e universidades das redondezas são nossos clientes mais comuns. Mas muitos vereadores comem aqui também.

Clientes de gerações

Há mais de 15 anos na mesma esquina, Lidiane conta que sua freguesia atravessa gerações.

Tem mãe que comia aqui enquanto estava grávida e hoje traz o filho para ser nosso freguês. O garoto foi acostumado com saduíche desde que morava na barriga da mamãe brinca a vendedora.

Frequentadora assídua, Jane Medina, aprova a liberdade de montar o sanduíche da maneira que lhe convém. Ela conta que até já chegou a comer no Hot Dog da Delma três vezes por semana e compara o lanche a um rodízio de churrascaria . Exagero?

O cachorro-quente daqui é enorme, é melhor levar pra comer em casa, senão você passa vergonha na rua. São muitos ingredientes, um melhor que outro, coloco todos. Tenho até que por em um prato para comer com garfo e faca, o que facilita o serviço brinca a cliente que há mais de dez anos bate ponto no local.

Sucesso entre estudantes

Em outro ponto da cidade, na esquina da Rua Doutor Paulo César com a Rua Mangaratiba, no bairro Largo do Marrão, a fórmula do sucesso dos vendedores é a mesma: oferecer uma grande quantidade de complementos e permitir a livre escolha dos clientes. No Alex Lanches, o atendimento self service levou o pré-vestibulando Marcelo Andrade a integrar o petisco à sua rotina alimentar.

Venho aqui em toda oportunidade que tenho, não perco a chance. No intervalo das aulas e dos cursos, conto com esse cachorro-quente para matar a minha fome. E só venho aqui porque tenho a liberdade de montar o sanduíche do jeito que quero.