Guarda Municipal fecha dois depósitos que atendiam a camelôs na Lapa

Felipe Sáles, JB Online

RIO - A operação choque de ordem começou a reprimir os ambulantes da Lapa nesta terça-feira. A Guarda Municipal fechou dois locais que eram usados como depósitos de camelôs, um na Rua Riachuelo e outro na Rua Pedro I, próximo à Praça Tiradentes. Ao todo, a GM recolheu pelo menos 14 caminhões da Comlurb lotados de mercadorias usadas por ambulantes no Centro do Rio, principalmente nas noites da Lapa. Um homem foi preso por desacato à autoridade.

A maior parte dos produtos recolhidos eram tricículos e carroças usadas para venda dos mais diversos produtos, desde almofadas até batatas fritas. Os guardas chegaram primeiro na Rua Riachuelo, número 148 - um dos maiores depósitos encontrados na região, relatado pelo JB na edição desta terça-feira. Ao todo, 28 homens participaram da ação, que começou às 7h e só terminou no entardecer. Na chegada, um homem com um tricículo passou pelos guardas debochando do choque de ordem, e foi imobilizado e levado para a 5ª DP (Gomes Freire), onde responderá por desacato à autoridade e ameaça.

No local - que antes era um prédio do INSS - hoje funciona uma ocupação do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST). Cada ambulante pagava R$ 20 por semana para deixar as mercadorias no local.

Os guardas também estiveram na Rua Pedro I, próximo à Praça Tiradentes. Lá, outros quatro caminhões recheados de entulhos e materiais usados por ambulantes foram levados pela prefeitura. O inspetor José Pedro Filho, comandante da 1ª Inspetoria do Centro, explicou que os ambulantes poderão resgatar suas mercadorias e carrinhos caso apresentem nota fiscal.

Os guardas foram também na Rua do Lavradio, número 165, mas descobriram que o local possuía alvará de funcionamento para depósito de carrinhos de pipoca e de churros - que era o que de fato havia no local. A ação foi desencadeada a partir de informações colhidas nas ouvidorias da prefeitura e do Disque-Denúncia.