Maia diz que futuro secretário deve desculpas ao Cacique Cobra Coral

Renata Victal, JB Online

RIO - O prefeito Cesar Maia faz nesta segunda-feira, em seu ex-blog, um alerta ao futuro secretário de Obras de Eduardo Paes, o vereador Luiz Antônio Guaraná: deve pedir desculpas ao Cacique Cobra Coral. Parece até brincadeira, mas não é. E Maia faz uma longa argumentação para justificar a excentricidade.

O prefeito conta ter ficado preocupado com a declaração de desprezo e pouco caso de Guaraná a um jornal carioca no último fim de semana.

Segundo Maia, "há oito anos que as chuvas no Rio podem até gerar alagamentos, mas nunca mais ocorreram cenas e imagens de rios caudalosos e barcos improvisados pelas ruas e carros boiando e gente morrendo e famílias desalojadas, como vimos nestes anos em centenas de cidades brasileiras. E apenas poucas vezes houve problemas com encosta, mas sem um morador perto e sem precisar de obras de contenção: apenas limpeza."

E as justificativas do prefeito continuam: "Uma onde não há moradias, na Grota Funda. Outra no baixo da Niemeyer com limpeza apenas. Outra na Grajaú-Jacarepaguá, também com ação de limpeza apenas. E finalmente no Rebouças na parte reflorestada por vazamento de encanamento da Cedae, que exigiu obra pelas razões, que deveriam ter sido pagas pela Cedae. Não havia nem uma casa no local, como se viu."

A falta de tagédias de grande proporções é, na avaliação do prefeito, fruto das intervenções do cacique. Maia esclarece que nunca pagou um centavo à Fundação Cacique Cobra Coral. "Mas sempre manteve relações de respeito e de reconhecimento técnico. É bem verdade que um quadro do Cacique Cobra Coral sempre esteve na sala de almoço do prefeito."

Ao fim da mensagem, o conselho: "Na mesma coluna, no mesmo local, peça desculpas pelo desprezo ao Cacique Cobra Coral. Se ocorrer algo muito forte neste verão, não ponha culpa no governo anterior, mas em suas imprudentes declarações. O prefeito, quando ex, levará com ele o quadro do Cacique Cobra Coral. Com todo o carinho e gratidão."

Fundação com fama internacional

A devoção à médium Adelaide Scritori, que recebe o Cacique Cobra Coral, ultrapassa os limites do gabinete de Cesar Maia. Diretora da Fundação Cacique Cobra Coral (FCCC), ela criou toda uma estrutura que conta, inclusive, com um centro de previsões meteorológicas, onde trabalham meteorologistas pós graduados. O serviço, conveniado de forma gratuita com vários órgãos e ministérios, já foi utilizado até mesmo pela então primeira-ministra Margaret Thatcher, em 1986, para que o inverno não fosse tão rigoroso. Na época, o jornal The Guardian apelidou Adelaide e seus funcionários de "interceptadores de catástrofes".

No dia 3 de agosto de 2001, antes dos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos, Adelaide mandou um e-mail para o presidente George Bush alertando sobre a catástrofe que ocorreria em Nova York e Washington. Depois dos ataques terroristas, agentes do Departamento de Estado visitaram a Fundação Cobra Coral, em São Paulo, mas saíram de lá sem muitas explicações.