Jornal do Brasil

Rio

Morador de rua passa mal no Centro do Rio e Samu questiona: 'qual é a situação social?'

Homem ficou mais de uma hora jogado na calçada à espera da ambulância, relataram agentes do Centro Presente

Jornal do Brasil ANA PAULA SILVEIRA, ana EDUARDO PACHECO E TOMAS BATTAGLIA, ana

Um morador de rua passou mal no Centro do Rio na noite desta quarta-feira (17) e populares se revoltaram quando acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e o atendente perguntou: 'qual é a situação social da pessoa?'. 

Marcos, major da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) e comandante da Operação do Centro Presente, relatou que diversas vezes acionou o serviço e nunca passou por esta situação, apesar da demora e da escassez em relação ao número de viaturas disponíveis e de pessoal. 

Macaque in the trees
Pessoa em situação de rua passa mal no centro do Rio de Janeiro (Foto: Tomás Battaglia)

"Perguntaram sobre a situação social dele, o que entendemos é que se fosse um morador de rua, eles não viriam". O atendente também sugeriu comprar um remédio para o acidentado. 

Segundo o oficial, é preciso seguir um protocolo para não prejudicar a saúde do paciente. 

Desorientado e fraco, Marcelo não conseguia se levantar, tremia e teve convulsão na Avenida Rio Branco, próximo ao metrô da Carioca. A informação é da equipe do Centro Presente, que fez o atendimento inicial e o contato com os órgãos responsáveis e aguardava a equipe de socorro no local. 

O morador de rua ficou mais de uma hora jogado na calçada à espera de uma ambulância, relataram os agentes. Ainda de acordo com o major, Marcelo é conhecido na região e não faz uso de drogas. 

Samu

Até ás 19h30, a reportagem entrou em contato com a Samu, por meio da assessoria, mas até a publicação desta matéria não houve retorno. A secretaria estadual de saúde também não retornou.

Corpo de Bombeiros

De acordo com o Corpo de Bombeiros não existiu negligência neste caso. A corporação alega que existe um protocolo onde se abre uma solicitação de atendimento e a ordem de prioridade é avaliada.