Jornal do Brasil

Rio

MP vai monitorar risco para ativistas dos direitos humanos no Rio

Relatório detalha pesquisas feitas online pelo PM Ronnie Lessa, acusado de executar Marielle

Jornal do Brasil

O Ministério Público do Rio vai monitorar o risco de todos os parlamentares e ativistas de direitos humanos cujos nomes apareceram no relatório final do inquérito policial sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco. O relatório detalha as pesquisas feitas online pelo PM reformado Ronnie Lessa, acusado de executar Marielle e o motorista Anderson Gomes em 14 de março do ano passado.

Macaque in the trees
Ronnie Lessa (Foto: Reprodução)

Os deputados estaduais do PSOL Flávio Serafini e Renata Souza estiveram na manhã desta sexta-feira, 22, reunidos como procurador-geral, José Eduardo Gussen, a quem solicitaram a avaliação de risco para todos os nomes pesquisados. Matéria do Estado publicada na última quinta-feira revelou que Lessa fez pesquisas sobre Marcelo Freixo e Flávio Serafini. Pesquisou também nomes de pesquisadores e ativistas de direitos humanos da Anistia Internacional, das Redes da Maré e da ONU Mulheres, sobretudo na área de segurança pública.

"Esse assassinato ainda não foi completamente desvendado, precisamos saber quem foi o mandante e qual a motivação. Essas pesquisas sobre defensores de direitos humanos retratam que o caso é de um ataque à democracia. O Estado tem que analisar os riscos e se responsabilizar por todos que foram citados.", afirmou Serafini.

Segundo o parlamentar, Gussen informou que os nomes serão monitorados e, em caso de haver risco, informará para que medidas de segurança como escolta sejam tomadas.