Rio

Executado professor de jiu-jitsu no Andaraí

Vítima é filho de Cafuringa, ídolo do Fluminense na década de 70

Rodrigo Fernandes, de 43 anos, foi assassinado na noite de quinta-feira no bairro do Andaraí, Zona Norte do Rio de Janeiro. Câmeras de segurança no local registraram o momento em que Rodrigo estava chegando perto de sua residência em uma moto quando foi surpreendido por outra motocicleta com dois ocupantes. Em questão de segundos, os criminosos alvejaram a vítima com diversos disparos à queima-roupa. Mesmo após cair do veículo, Rodrigo Fernandes continuou a ser atingido. Ao total foram 14 tiros que acertaram o corpo, causando a morte na hora.

Depois de fazer perícia no local do crime, a Delegacia de Homicídios (DH) da capital vai investigar se o assassinato foi ordenado pelo chefe do tráfico do Morro do Cruz, localizado entre o Andaraí e a Tijuca. A polícia acredita que o crime teria sido motivado depois de um desentendimento entre o traficante e Rodrigo Fernandes por causa da compra de uma casa na comunidade.

Rodrigo Cafu, como era chamado por amigos e familiares, ganhou o apelido por causa do pai, Moacir Fernandes (1948-1991), o Cafuringa, ex-jogador que passou pelo Fluminense na década de 1970. A história do ex-ponta-direita seguiu como legado das torcidas. O ex-lateral direito Cafu, pentacampeão pela Seleção Brasileira em 2002, recebeu a alcunha porque era considerado tão rápido como um Cafuringa.

Macaque in the trees
Rodrigo Cafu, mestre de jiu-jitsu, foi morto depois de levar 14 tiros (Foto: Reprodução Redes Sociais)

Chocados com a morte, amigos e familiares prestaram solidariedades nas redes sociais: "Era um cidadão de enorme coração, carismático, forte, sensível, exemplo de pessoa. Seu legado sempre será lembrado por todos", escreveu um amigo do professor. "Ontem, o sonho de muitas pessoas foi interrompido pela ganância do homem ao tirar a vida desse ser humano puro. Meu sonho era receber a faixa preta das mãos dele, mas infelizmente não será mais possível", disse um aluno de Rodrigo Fernandes.

O grupo Sorriso Maroto, em que Rodrigo Cafu trabalhava como segurança, também lamentou a morte de Fernandes: "Estamos consternados pelo falecimento do Rodrigo Cafu, o grupo presta toda solidariedade à família e aos amigos neste momento delicado."