Rio

Marielle dá vitória à Mangueira

O enredo da verde e rosa, 'História para ninar gente grande', de Leandro Vieira, trouxe à tona na Marquês de Sapucaí a ótica dos heróis populares

Marielle foi figura central de um enredo que elogiava heróis populares brasileiros não reconhecidos na maioria dos livros didáticos e demais registros históricos. O auge da comoção ocorreu na parte final do desfile, onde correligionários, familiares e apoiadores da vereadora balançavam bandeiras com retratos de Marielle e outras lideranças populares, enquanto outros carregavam uma imensa bandeira do Brasil onde o lema positivista "ordem e progresso" foi substituído por "índios, negros e pobres". O enredo foi batizado de "História pra ninar gente grande", do carnavalesco Leandro Vieira, que conta a história do Brasil pela ótica dos heróis populares.

Entre as pessoas que empunharam bandeiras estavam o deputado federal Marcelo Freixo e o vereador Tarcísio Motta, ambos do PSOL. Mônica Benício, viúva de Marielle, também desfilou, mas apenas com uma camisa que homenageava a parlamentar. Outra menção a Marielle era feita na comissão de frente, que virava a história oficial pelo avesso: figuras históricas tradicionalmente reconhecidas, representadas como anões, eram substituídas por índios e negros. Na encenação, as novas personalidades erguiam uma menina que, representando Marielle, empunhava uma faixa onde se lia "presente". O coro de "Marielle: presente" é uma forma frequente de homenagear a vereadora morta.

Macaque in the trees
O auge da comoção ocorreu na parte final do desfile, com correligionários, familiares e apoiadores balançando bandeiras com retratos de Marielle Franco e outras lideranças populares (Foto: Diego Maranhão/AM PRESS &IMAGES/AE)

Sexta escola a se apresentar na segunda noite de desfiles, já ao amanhecer de terça-feira a verde e rosa se equiparou a outras em fantasias e alegorias, mas arrebatou a plateia com a comovente homenagem a Marielle, assassinada em março de 2018 no Centro do Rio. A parlamentar era citada nominalmente no samba, o mais cantado deste carnaval.

Outras escolas

Em segundo lugar ficou a Unidos do Viradouro e, em terceiro, a Vila Isabel. A Viradouro desfilou com o enredo Viraviradouro, que apresenta as histórias que as avós contavam. O enredo com o universo de histórias infantis e de contos de fadas trazia no final uma floresta encantada. A escola voltou ao grupo especial após três anos na Série A (antigo grupo de acesso).

Já a Vila Isabel falou da luta por justiça e contra a desigualdade racial. A família da vereadora Marielle Franco desfilou no último carro. As duas escolas que ficaram nas últimas colocações serão rebaixadas para o Grupo de Acesso A: Imperatriz Leopoldinense e a Império Serrano.

Macaque in the trees
A Estação Primeira de Mangueira comemorou a vitória na quadra da escola de samba (Foto: Jorge HELY/FRAMEPHOTO/AE)

As seis primeiras colocadas desfilam novamente no próximo sábado. Além das três primeiras, se apresentam a Portela, Salgueiro e Mocidade. (Com Agência Estado)



O auge da comoção ocorreu na parte final do desfile, com correligionários, familiares e apoiadores balançando bandeiras com retratos de Marielle Franco e outras lideranças populares
A Estação Primeira de Mangueira comemorou a vitória na quadra da escola de samba