Jornal do Brasil

Rio

Informe JB: Vaza petróleo na Baía de Guanabara

Informação é publicada com exclusividade por colunista do JB

Jornal do Brasil JAN THEOPHILO, jan@jb.com.br

Técnicos do ICM-Bio foram alertados na manhã de hoje sobre um vazamento de petróleo na Baía de Guanabara, na região entre os municípios de Magé e Duque de Caxias, na foz do rio Estrela. Segundo relatos dos pescadores da região, há “grandes manchas de petróleo grosso sobre as águas”. Equipes técnicas do órgão, do Inea e da Petrobras estão nesse momento no local. A equipe de transição do governador Wilson Witzel também já foi avisada.

A Transpetro enviou nota ao JB, confirmando o vazamento de petróleo. "A Transpetro informa que uma tentativa de furto em oleoduto no município de Magé (RJ) provocou vazamento de petróleo na tarde de sábado (8). A companhia imediatamente interrompeu as operações do duto, acionou equipes de emergência e conteve, na mesma tarde, o vazamento."

Macaque in the trees
Imagem de sobrevoo (Foto: Divulgação / ICMBio)

O local do vazamento é próximo ao duto que ligava a Refinaria Duque de Caxias ao terminal Ilha D’Agua, na Ilha do Governador e rompeu em 18 de janeiro de 2000, provocando um vazamento de 1,3 milhão de litros de óleo combustível nas águas da Baía. A mancha se espalhou por 40 quilômetros quadrados e contaminou grande parte do ecossistema de mangues no entorno.

Confira nota da Transpetro:

A Transpetro informa que uma tentativa de furto em oleoduto no município de Magé (RJ) provocou vazamento de petróleo na tarde de sábado (8). A companhia imediatamente interrompeu as operações do duto, acionou equipes de emergência e conteve, na mesma tarde, o vazamento.

O petróleo atingiu o rio Estrela, que desagua na Baia de Guanabara. A Transpetro comunicou as autoridades competentes e está mobilizando todos os recursos necessários para recolher o produto e realizar a limpeza e recuperação das áreas atingidas. O volume vazado está sendo estimado em conjunto com o órgão ambiental.

A Transpetro esclarece que é vítima de ações criminosas de furto de óleo e derivados e colabora com as investigações das autoridades. A companhia tem como maior preocupação a segurança das pessoas e do meio ambiente, pois intervenções criminosas nos dutos podem trazer riscos como vazamentos, incêndios e explosões.

A colaboração e o engajamento dos moradores vizinhos aos dutos é muito importante para minimizar o perigo que todos correm com estes atos criminosos. Eles podem entrar em contato com a companhia por meio do telefone 168 caso identifiquem qualquer movimentação suspeita na faixa de dutos e em terrenos próximos. A ligação é grátis e o telefone funciona 24 horas por dia, sete dias por semana.

Confira vídeo: 

A qualquer momento, novas informações.