Jornal do Brasil

Rio

Rio: acusado de matar ex-mulher é capturado por familiares da vítima no dia do velório

Jornal do Brasil

Vanclécio Cordeiro, acusado de matar a ex-mulher Fernanda Siqueira a facadas no último domingo, foi preso nesta terça-feira (20) pela Polícia Civil após ter sido capturado por familiares da vítima que estavam indo para o velório. Eles avistaram Vanclécio durante o caminho, no bairro de Colégio, perseguiram e o seguraram, antes de chamar a polícia.

Policiais da DH afirmaram que, durante a prisão, ele confirmou o assassinato. O corpo de Fernanda Siqueira está sendo velado no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste do Rio. Ela foi morta  em uma rua em Vicente de Carvalho, na Zona Norte do Rio.

Macaque in the trees
Vanclécio foi capturado por familiares da vítima (Foto: Reprodução/Redes sociais)

Fernanda e Cordeiro se conheceram em 2014, quando trabalharam juntos numa quitanda. Casaram-se em março de 2015, mas Cordeiro era muito ciumento. Segundo familiares de Fernanda, durante uma briga há cerca de cinco meses ele quebrou o vidro do banheiro com um carregador do celular. Ela então decidiu se separar, o que o homem não aceitava.

A vítima foi morar na casa dos pais, mas mantinha uma chave da casa que dividiu com Cordeiro. No domingo, ele ligou pra ela e pediu que lhe entregasse a chave da casa. Por volta das 19 horas daquele dia, Fernanda foi à porta do prédio onde iria se encontrar com o ex-marido, na rua Tarira. Na calçada, ela foi atacada por Cordeiro, que, segundo testemunhas, desferiu facadas no pescoço de Fernanda.

Ela chegou a ser levada ao Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, na zona norte, mas morreu pouco depois. Segundo a polícia, ao ser preso, nesta terça-feira, Cordeiro confessou o crime.

 

"Eu, meu irmão e meu filho avistamos Vanclécio andando na rua tranquilamente, como se nada tivesse acontecido", contou ao site G1 Orlando Nunes, primo da vítima.

"Nós paramos o carro e saímos correndo atrás dele. Quando eu cheguei, ele estava escondido embaixo de um carro. Chamei a polícia. A primeira coisa que ele falou quando o pegamos foi: 'Como é que ela está? Eu não queria fazer isso, como é que ela está?'. É um conforto para família saber que ele está preso e que agora a justiça vai ser feita", disse Nunes.