Jornal do Brasil

Rio

Caxias constrói colégio para a PM

Prefeitura do município da Baixada cede terreno e assume manutenção de unidade de ensino para filhos de policiais militares

Jornal do Brasil SÔNIA APOLINÁRIO, sonia.apolinario@jb.com.br

Até o fim do ano, a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) inaugura duas novas escolas da Corporação. As unidades, localizadas em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, e na cidade de Duque de Caxias, são voltadas para atender os filhos de policiais. Para isso, tanto o estado quanto o município da Baixada Fluminense deram novas finalidades a prédios sob suas responsabilidades. No caso de Duque de Caxias, a prefeitura termina, no momento, a obra do prédio.

Macaque in the trees
Fachada do futuro III Colégio da PM, na Rodovia Washington Luiz, em Jardim Gramacho, em Duque de Caxias: prefeitura cedeu o terreno à corporação por 20 ano (Foto: Beto Herrera/JB)

De acordo com um convênio assinado, em outubro, pelo comandante-geral da PM, coronel Luís Cláudio Laviano, e o prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis, o III Colégio da PM funcionará num prédio cedido pela prefeitura à PM por 20 anos, na Rodovia Washington Luiz, em Jardim Gramacho. A área pedagógica ficará a cargo da Polícia Militar, ao mesmo tempo, em que a prefeitura assume, nos primeiros dois anos, os custos de manutenção e a cessão de professores.

A unidade tem 1,7 mil m² de área edificada, em um terreno de 5 mil m². O prédio começou a ser construído em 2009, mas as obras se encontravam paralisadas. Foram retomadas na atual administração do prefeito Washington Reis, que já esteve à frente da cidade entre 2005 e 2008. De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, não havia demanda para essa escola.

“Devido ao grande número de policiais militares e bombeiros militares que moram na cidade e seguindo solicitação da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro para que fosse construída uma unidade educacional que atendesse aos filhos dos militares, a Prefeitura firmou um convênio com a Polícia Militar e vai implantar na unidade o III Colégio da Polícia Militar do estado”, informou a assessoria da Prefeitura de Duque de Caxias. “No momento, a Secretaria Municipal de Obras está fazendo a adequação do prédio para receber a nova estrutura, utilizando mão de obra própria por administração direta”, diz a nota.

Também de acordo com a assessoria da prefeitura, “os docentes serão contratos de acordo com parâmetros e perfis definidos pelo Comando da Polícia Militar e por meio de processo seletivo organizado pela Fundec – Fundação de Apoio à Escola Técnica, Ciência, Tecnologia, Esporte, Lazer, Cultura e Políticas Sociais de Duque de Caxias”.

A rede pública de ensino de Duque de Caxias é formada, atualmente, por 178 unidades e atende 75.795 alunos. Em agosto, o município enfrentou uma crise quando professores completaram dois meses de salários atrasados. Os profissionais denunciaram, à época, que muitas escolas estavam sem manutenção. Em algumas unidades, goteiras tinham causado alagamentos. Naquela ocasião, a prefeitura informou que iria reformar o telhado de 40 escolas, até o final do ano.

O prefeito Washington Reis (MDB) não deu entrevista. Ano passado, ele e seu vice, Marcos Pessanha (PRP), tiveram os mandatos cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ). Isso porque Reis foi condenado, em 2016, pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a sete anos e dois meses de prisão em regime semiaberto. Ex-subsecretário de Obras Metropolitanas do governador Sérgio Cabral, o então deputado foi acusado de ter causado dano ambiental nos arredores da Reserva Biológica Tinguá, em Xerém, distrito de Caxias. Ele entrou com recurso.

Homenagem a pai de Bolsonaro

Na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), o irmão do prefeito de Duque de Caxias, deputado Rosenverg Reis (MDB) apresentou um Projeto de Lei para batizar a futura escola militar com o nome de Percy Geraldo Bolsonaro. No PL, justifica a iniciativa com a informação que se trata do pai do presidente eleito Jair Bolsonaro, morto em 1995. A votação desse PL tem causado mal estar na Alerj e, por duas vezes, foi retirado de pauta. Neto de Percy, o deputado Flávio Bolsonaro (PSL), postou um vídeo em sua página do Facebook, feito durante uma visita à obra, quatro meses atrás, em que afirma que o local “era para receber um colégio do município”, mas que a prefeitura disponibilizou a unidade “em função da demanda”.

Em Campo Grande, o II Colégio da PM está sendo adaptado a um prédio cedido pela Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro, com recursos da Polícia Militar. A proposta pedagógica, o corpo docente e os demais profissionais da escola estarão subordinados à PMERJ. A unidade fica na Rua Rodrigues Campelo, 33, num prédio construído para ser um Centro Vocacional Tecnológico, onde seriam oferecidos cursos de qualificação profissional, além de espanhol e inglês. Estava abandonado.

Os dois novos colégios iniciam suas atividades no ano letivo de 2019. Ambos começam a funcionar com turmas do 6º ano do ensino fundamental. O I Colégio da PM funciona em Niterói (RJ), desde 2006. Atualmente, tem 270 alunos matriculados. As vagas em Campo Grande já foram preenchidas por concurso. Do total de 47, 19 serão ocupadas por garotas. Ao todo, 90% foram para filhos de policiais militares e 10% para filhos de bombeiros militares. Para Duque de Caxias, as inscrições para o concurso estão abertas para dependentes de policial ou bombeiro militar.