Jornal do Brasil

Rio

Jornaleiros comemoram data dedicada ao grupo

Categoria reivindicou ampliação das atividades nas bancas

Jornal do Brasil

Uma grande reunião de jornaleiros de todo o estado celebrou, ontem, o Dia do Jornaleiro. Há 71 anos, dedica-se o dia 30 de setembro à categoria. O encontro, que aconteceu dois dias depois da data, contou com representantes da entidade e do presidente da Câmara de Vereadores, Jorge Felippe (MDB). Um dos principais assuntos abordados foram os principais desafios da venda de jornais e revistas em banca durante a Era Digital.

Presidente do Sindicato dos Jornaleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sinjor), Nélson Dantas, 56 anos, conta que, para driblar a crise da venda de jornais e revistas, o grupo tentará aprovar, na Câmara Municipal, decreto que garanta publicidade nas laterais das bancas.

Macaque in the trees
Presidente do Sindicato dos Jornaleiros, Nélson Dantas defendeu a ampliação do uso de publicidade nas bancas (Foto: Beto Herrera)

“É uma forma de aumentar a receita dos jornaleiros, assim como já conseguimos aprovação para vender refrigerantes e outros. Hoje, a banca de jornal é uma verdadeira loja de conveniência: se reinventou”, defende o representante da entidade.

Para o vice-presidente do Sinjor, Mário Giovanelli, apesar da popularização dos jornais digitais, a banca de jornal nunca esteve tão atual.

“Por mais que as pessoas obtenham informações pela internet, ainda há grande procura pelos impressos. Em tempo de fake news, o leitor sabe que é fundamental obter informações de fontes fidedignas”, afirmou.

Presidente da Câmara dos Vereadores pela quinta vez, o vereador Jorge Felippe prometeu ao grupo que fará o possível para transformar em decreto os anseios da categoria como a ampliação da publicidade em banca e o aluguel dos espaços para instalação de antenas de celulares.

“Os vereadores do Rio têm muito respeito pela classe trabalhadora que são os jornaleiros. Tenho certeza de que receberão essas propostas com carinho”, disse.

Jornaleiro desde os 8 anos de idade, quando começou a trabalhar junto com seu pai, Natale Seiammarella, hoje com 63, também apoia a transformação das unidades:

“É importante que tenhamos permissão também para oferecermos fotocópias. Quanto mais serviços tivermos, mais público atrairemos. Isso é fundamental”, reivindicou.



Recomendadas para você