Jornal do Brasil

Rio

Um lar para os jambeiros

Rua do Riachuelo tem tapetes púrpura formados pelos estames das 38 árvores plantadas há oito anos

Jornal do Brasil CELINA CÔRTES, celina.cortes@jb.com.br

Quando Machado de Assis escolheu o cenário da Rua Matacavalos para o encontro do casal mais famoso de sua obra literária, Bentinho e Capitu, protagonistas de Dom Casmurro, jamais poderia imaginar que em 1865 o logradouro viria a se chamar “do Riachuelo” – em homenagem à batalha naval que consagrou a vitória brasileira na Guerra do Paraguai. E muito menos que ali passariam a predominar jambeiros, que tingem de rosa-choque tudo o que há sob suas copas. Do boêmio Largo da Lapa, onde a rua começa, à decadente Rua Frei Caneca, brotam 38 pés de jambo ao longo de seus quase 2 km, cujas flores e frutos entram no auge durante a primavera.

A introdução dos jambeiros é recente, integrou o projeto de revitalização da rua realizado pela prefeitura há cerca de oito anos. Da família das Myrtaceas, o gênero escolhido para a rua no Centro da cidade foi o das Syzygiums, de formato cônico e ramificações abundantes, cujas flores são formadas por quatro pétalas agrupadas e inúmeros estames que viram tapetes púrpura sob a copa da árvore, que não costuma passar de 15m. Segundo a secretaria municipal de Conservação e Meio Ambiente, foi a espécie mais indicada e propícia ao local, “de acordo com análise técnica que avalia condições climáticas e tipo de solo”.

Quem aproveita a presença verde é a pernambucana Vera Lúcia Silva dos Santos, 63 anos, que mora na rua há 36 e trabalha em um dos hospitais existentes por ali: “Gosto de comer jambos, eles têm o sabor da minha terra”, diz, sem saber que os jambeiros, originários da Índia e de algumas ilhas da Malásia, no sudeste asiático, estão presentes em todo o país.

Alguns mais frondosos outros ainda bem mirrados, os pés de jambo já estão carregados de frutos doces de polpa branca e suculenta. O Passat azul placa LJE 7861, abandonado perto da esquina com a Rua Henrique Valadares, por exemplo, está coberto pelo tapete púrpura, assim como vários trechos da calçada. É o garçom Antonio Milton, há 30 anos no Bar do Gomes, fincado há 50 na esquina com a Rua Gomes Freire, quem sinaliza: “Antes, a Rua do Riachuelo era mais larga, as três pistas passaram a duas e os jambeiros também foram introduzidos na reforma de revitalização feita pela prefeitura. Nunca comi, mas as pessoas dizem que é gostoso”, pondera. Rodrigo Cabral, 28 anos, que desde pequeno trabalha no restaurante Victor, de sua família, ali perto, é outro que nunca provou: “É uma fruta da roça, aqui fica suja pela poeira da rua mas, mesmo assim, tem gente que pega. Lindo é o tapete que fica no chão”, elogia.

Um perfil eclético

São novas histórias para uma rua que remonta ao ano de 1573, onde já havia o caminho que saía do local escolhido para a construção dos Arcos da Lapa. Ela contornava o Morro de Santa Teresa (Morro do Desterro) e seguia rumo à Aldeia Martim Afonso, perto da atual igreja de Santana. Recebeu várias denominações, como Caminho para o Engenho Pequeno, Caminho para a Lagoa da Sentinela, Caminho que vai para São Cristóvão, Caminho da Bica – originado da grande Chácara com este nome situada à esquerda do logradouro - e Caminho de Matacavalos, por conta dos atoleiros que atravancavam o deslocamento desses animais.

Foi ali que morou o General Osório (1808-1879), ministro da Guerra de D. Pedro II, na casa onde hoje funciona a Academia Brasileira de Filosofia, local também escolhido pelo republicano Benjamin Constant (1836-1891), que faleceu no endereço. Em 1870, o Hospital da Ordem do Carmo, fundado em 1773, hoje em pleno funcionamento, foi transferido para a Rua Matacavalos. O velho e o novo convivem em harmonia, a exemplo do charmoso ateliê O Sobrado, que reúne sob um mesmo e acanhado espaço de bolsas estilosas a guloseimas, e a União Beneficente de Choferes, que ocupa o prédio inaugurado pelo ex-presidente Juscelino Kubitscheck na década de 1960.

Sagrado e profano

Outro convívio harmônico é o do sagrado com o profano, este último representado pelo Clube Democráticos e a Gafieira Lapa 40º, com as igrejas Nossa Senhora de Fátima, reduto de portugueses, e a Capela Menino Jesus, sem deixar de lado a Igreja Evangélica da Lapa. A arquitetura é uma miscelânea de estilos, que vai do eclético ao colonial, passando pelo art déco.

O trânsito intenso e a variedade de estabelecimentos são outras marcas da rua, com bares para todo tipo de paladar, supermercados, comércio miúdo, academia de ginástica e casa de sinuca, entre outras modalidades. Verdadeiro carnaval que combina muito bem com os kitschs tapetes cor- de- rosa-choque formados pelos jambeiros.



Recomendadas para você