Jornal do Brasil

Rio

PF já sabe onde começou incêndio que destruiu o Museu Nacional

Jornal do Brasil CELINA CÔRTES, celina.cortes@jb.com.br

pesar de fazer questão da perícia da Polícia Federal para desvendar as causas do incêndio que consumiu o Museu Nacional no último domingo, Alexander Kellner, diretor da instituição, não foi comunicado de que a mesma teria descoberto o local onde teria começado o fogo, informação que não foi divulgada publicamente para eviar especulações, conforme declarou a PF ao site G1. A PF também não descartou a possibilidade do incêndio ter sido criminoso. “Acho que nenhuma hipótese deve ser descartada. Seria um absurdo tão grande que não quero ter esse tipo de desconfiança”, acrescentou Kellner.

Sobre o estudo do governo federal de editar uma medida provisória para retirar o Museu Nacional da alçada da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) - depois que empresários e banqueiros demonstraram preocupação com a gestão da entidade - e transferi-lo para o Ministério da Educação, o diretor do museu se posicionou: “Não existe clima para isso. O que precisamos é de apoio para a reconstrução do museu”, afirmou.

Na última quarta-feira, em reunião com presidentes de empresas e representantes de bancos públicos e privados, o presidente Temer fez um apelo pela participação destas entidades na composição de fundos a serem criados para a reconstrução do museu e manutenção do patrimônio histórico e cultural. A ideia de retirar o Museu Nacional da UFRJ foi apresentada como uma contrapartida.

Na última terça-feira, os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, da Educação, Rossielli Soares, e da Cultura, Sérgio Sá Leitão, também criticaram a gestão da UFRJ em entrevista coletiva.

Macaque in the trees
Estátua de D. Pedro II, na frente da fachada do Museu Nacional, que resistiu ao incêndio ocorrido no domingo passado (Foto: Marcos Tristão)



Recomendadas para você