Mostras de Cinema e Sessões Extras

>> Bhava: Universo do Cinema Indiano

>> Cinema Franco-Árabe

>> Corações e Mentes

>> Filme em Foco

>> Faróis do Cinema - Quem faz e quem inspira

>> Documentários gratuitos

BHAVA: UNIVERSO DO CINEMA INDIANO - A mostra apresenta um panorama  do cinema indiano, considerado uma das maiores indústrias cinematográficas do mundo. Serão apesentados 35 filmes produções recentes de grandes diretores do cinema indiano e filmes da cineastas expoentes. A mostra, que começa na terça (06/12), também homenageia as mulheres indianas cineastas, fazendo um recorte com ícones, como Mira Nair e Aparna Sen, e jovens realizadoras de destaque. A programação reúne todas as vertentes do cinema da Índia, priorizando todas as indústrias cinematográficas do país, espalhadas pelas principais regiões da Índia, indo muito além da chamada indústria de Bollywood, mais popular nacional e internacionalmente.  Centro Cultural Banco do Brasil, Rua Primeiro de Março, 66, Centro (3808-2020). Cinema 1: 102 pessoas.  Cinepasse: R$ 6 e  R$ 3 (meia-entrada). Credencial que dá direito a ver todas as sessões da mostra (mediante retirada de senha 30 minutos antes de cada sessão e sujeito à lotação). Até 30 de dezembro.

>> Programação completa no site https://bhavacinemaindiano.com/

CINEMA FRANCO-ÁRABE - Com curadoria de João Juarez Guimarães, a mostra apresenta 28 longas-metragens de ficção, quatro documentários e seis curtas, realizados por descendentes de imigrantes árabes, radicados na França, que se dedicaram-se ao cinema e passaram a produzir, a partir dos anos 80, obras vigorosas que refletem a realidade em que vivem, como o duro cotidiano dos bairros populares e a problemática integração na sociedade francesa, revelando um país multifacetado em busca de conciliação e identidadeCentro Cultural Banco, Rua Primeiro de Março 66, Centro (3808-2020). Sala de Cinema 1: 102 lugares e Sala de Cinema 2: 50 lugares. Cinepasse: R$ 6 e R$ 3 (meia), válido durante a mostra, para acesso às sala de cinema 1 e 2, por meio de senhas. As senhas deverão ser retiradas 1h antes de cada sessão. 

Terça-feira (06/12), às 16h30: Barakat!, de Djamila Sahraoui  (França-Argélia, 2006. 95 min. 14 anos). Na Argélia, durante a guerra civil dos anos 1990, uma jovem médica investiga o desaparecimento do marido, um jornalista envolvido com a oposição. Na procura, ela tem a ajuda apenas de uma amiga enfermeira mais velha, veterana da guerra de independência daArgélia. Djamila Sahraoui é formada pelo IDHEC e mora na França desde 1975; atualmente preparasua segunda ficção, Ouardia.

Terça-feira - às 18h30: Andalucia, de Alain Gomis (França, 2008. 90 miin, 14 anos). O filme  enfoca a trajetória em busca de suas raízes que Yacine, filho de imigrantes magrebinos, morador da periferia parisiense, empreende até Andalucia, região espanhola dominada pelos árabes em outros séculos. Andalucia foi exibido no Festival de Veneza e com L'Afrance (2001), Gomis ganhou o Leopardo de Prata do Festival de Locarno, prêmio destinado aos primeiros filmes. 

Quarta-feira (07/12), às 16h30: Aliás, Derrida, de Safaa Fathy (França, 1999. 70 min. 10 anos). Documentário sobre Jacques Derrida filmado pela cineasta egipcia com locações na França, Estados Unidos, Espanha e Argélia, país onde o filósofo francês nasceu e passou a adolescência. 

Quarta-feira (07/12), às 18h30: Cuba feliz, de Karim Dridi (França-Cuba, 2000. 93 min. 14 anos). Ao apresentar Cuba Feliz em Cannes, Karim Dridi, filho de pai tunisiano e mãe francesa, nascido em Tunis e radicado na França, contava então com dois longas no currículo. Cuba Feliz segue Miguel del Morales, cantor popular conhecido por El Gallo, 76 anos na época da filmagem, por uma viagem ao interior do país. Os companheiros de El Gallo em cena são talentos igualmente anônimos que vivem a música nas calçadas e becos cubanos. Participou da Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes.

Quinta-feira (08/12), às 16h30: Duas senhoras, de Philippe Faucon (França, 2007. 73 min. 12 anos). Philippe Faucon nasceu em Oujda, Marrocos. Formado em Letras, estreou no cinema em 1990 e hoje conta com sete longas metragens no currículo, entre eles Samia, de 2000, também em exibição na mostra. Duas senhoras mostra a amizade que nasce entre uma idosa judia, mal-humorada e irritadiça, e uma senhora muçulmana que é contratada para lhe fazer companhia.

Quinta-feira (08/12), às 18h30: Unidos pela França, de Rachid Bouchareb (França, 2004. 9 min. Livre). Em 1940, o senegalês Aby é convocado a lutar pela França na Segunda Guerra Mundial. Rara incursão de um diretor já consagrado na animação + Dias de glória, de Rachid Bouchareb  (França-Argélia-Marrocos-Bélgica, 2006. 120 min. 14 anos). Parisiense, filho de pais argelinos, Rachid Bouchareb sempre conciliou a carreira de cineasta com a de ativo produtor do cinema. Dias de glória, quinto longa-metragem para o cinema, enfoca um episódio obscuro da história francesa, a participação de soldados das colônias norte africanas, na Segunda Guerra Mundial. O filme causou polêmica e comoção na França por mostrar as injustiças e preconceitos a que estes homens foram submetidos. Prêmio coletivo de Melhor Intérpretação Masculina no Festival de Cannes. Indicado ao Oscar de Melhor Filmes Estrangeiro.

CORAÇÕES E MENTES (Hearts and Minds) - De Peter Davis. Documentário. Com quase duas horas de projeção, o documentário mostra friamente o confronto e os equívocos da ação dos Estados Unidos no conflito entre Vietnã do Norte e a República Democrática do Vietnã do Sul. Com entrevistas e filmagens no cenário da guerra, o diretor Peter Davis constrói  um poderoso retrato dos efeitos desastrosos da guerra, com cenas de violência chocantes no cenário do conflito. Obra controversa, vencedora do Oscar de Melhor Documentário em 1974, Corações e Mentes é um dos mais poderosos filmes anti-guerra de todos os tempos. Com a história se repetindo na guerra dos Estados Unidos contra o Iraque,  nunca esteve tão atual. EUA, 1974. 1h52. 16 anos. Estação Sesc Rio 3: 2ª, às 21h10; Estação Sesc Ipanema 2: 3ª, às 21h10; Estação Vivo Gávea 1: 4ª, às 22h; Estação Barra Point 2: 5ª, às 21h40.

FILME EM FOCO - A mostra vai exibir 14 filmes: sete lançados ao longo do ano e sete  inéditos e após a sessão, um debate informal com personalidades de diferentes áreas, como filosofia, psicologia, jornalismo, música e do próprio cinema. Estação Sesc Botafogo, Rua Voluntários da Pátria, 88, Botafogo (2226-1988). Cap.: 280 pessoas.  R$10. Grátis para  comerciários com carterinha SESC (válido também para acompanhante).

Sexta-feira (02/12), às 17hA guerra está declarada, de Valérie Donzelli. Com  Valérie Donzelli, Jérémie Elkaïm, César Desseix (França, 2011. 100 min. 10 anos. Cor. 35mm). Quando Roméo e  Juliette se conhecem, brincam com a  coincidência dos nomes e, em tom de piada, declararam estar fadados a um destino trágico. Os dois se apaixonam, casam e têm  seu primeiro filho, Adam. Mas a  ilusão do  conto de  fadas se quebra após uma  visita ao pediatra,  que diagnostica um tumor cerebral no menino. A doença do filho vai obrigar o  casal a  enfrentrar problemas reais da vida adulta. Filme de abertura da Semana da Crítica do Festival de  Cannes 2011Debate com o critico Pedro Butcher.

Segunda (05/12),às 17h: Incêndios, de Denis Villeneuve. Com  Lubna Azabal, Mélissa   Désormeaux-Poulin, Maxim Gaudette (Canadá. 2010. 130min. 14 anos. Cor. 35mm). Jeanne e  Simon são irmãos gêmeos e acabaram de  perder a mãe, Nawal. A mulher deixa dois envelopes, um a ser entregue ao pai dos gêmeos e outro para o irmão deles. Só que Jeanne e Simon  nada sabem sobre a  existência de um irmão e acreditavam que o pai  estava morto. É o  início de uma jornada em busca do  passado da mãe, que os leva até a  Palestina. Debate com a filósofa Silvia Pimenta e a jornalista critica e roteirista Susana Schild.

Terça-feira (06/12), às 17h: Crítico, de Kleber Mendonça Filho. Depoimentos de Gus  Van Sant, Tom Tykwer, Eduardo Coutinho, Curtis Hanson, Carlos Reichenbach, Walter Salles e   Carlos Saura (Brasil, 2008. 76 min. Documentário. Livre. Cor. 35mm). Setenta  críticos e   cineastas discutem  o  cinema a  partir do  conflito que existe entre o artista e o observador, o criador e o crítico. Entre 1998 e  2007, Kleber  Mendonça Filho  registrou   depoimentos sobre esta relação no Brasil,  Estados Unidos e  Europa, a partir da sua experiencia como crítico. Debate com o critico e jornalista Ricardo Largman. 

Quarta-feira (07/12), às 17hAbutres, de Pablo Trapero. Com Ricardo Darín, Martina  Gusman, Carlos Weber, José Luis Arias (Argentina, Chile, França, Coréia do Sul, 2010.107 min. 16 anos. 35mm). Sosa é  um  "urubu", um advogado especializado em acidentes rodoviários. Seu trabalho é  lidar com as testemunhas, policiais, juízes  e companhias de  seguro, envolvendo um grande esquema de corrupção. Quando se apaixona por uma jovem paramédica, Sosa decide deixar o trabalho sujo, mas seu passado não o deixará tão facilmente. Debate com Cláudia Dottori - pesquisadora e professora de Cinema Latino Americano.

Quarta-feira (07/12), às 20hRomânticos anônimos, de Jean-pierre Améris. Com Isabelle  Carré, Benoît Poelvoorde, Lorella Cravotta (França, Bélgica, 2010. Cor. 80 min. 16 anos, 35mm). Angélique é uma talentosa confeiteira, especialista em  chocolate, que  é  contratada por Jean-René  para  trabalhar em sua fábrica.  Além do  amor pelo doce, os dois  dividem uma timidez fora do normal. Com tantas coisas em  comum, eles  se  apaixonam, mas a falta de habilidade para se relacionar vai fazer com que eles acabem se afastando. Até que uma ameaça ao negócio de Jean-René vai forçá-los a enfrentar seus  medos e admitir o que sentem um pelo outro. Selecionado para o Festival de Tribeca 2011Debate com a crítica e escritora Maria Silvia Camargo.

Quinta-feira (08/12), às 20hIsto não é um filme, de Jafar Panahi e Mojtaba Mirtahmasb. Documentário (Irã, 2011. Cor. 75 min.10 anos. Digital). Condenado pela  justiça do Irã, o  cineasta Jafar Panahi aguarda em  prisão domiciliar pelo resultado de sua sentença no tribunal de  apelação. Este "não filme" retrata um dia nesta difícil rotina do diretor  perseguido pelo governo de Mahmoud Ahmadinejad. Debate com a cineasta Anna Azevedo e o crítico e jornalista André Miranda.

FARÓIS DO CINEMA - QUEM FAZ E QUEM INSPIRA - O projeto reúne  alguns dos principais diretores brasileiros que exibem suas próprias produções e também os filmes que inspiraram suas carreiras, estilos e linguagens. Entre  os diretores convidados estão Cacá Diegues, Luiz Carlos Lacerda, José Jofily, Neville D'Almeida e Rosane Svartman, entre outros. Programação: Xica da Silva, de Cacá Diegues (Brasil, 1976. 107 min. 16 anos). O filme focaliza a trajetória de Xica da Silva, que de escrava, tornou-se a primeira dama negra de nossa história, seduzindo o milionário contratador de diamantes João Fernandes de Oliveira (3ª (O6/12), às 20h; 4ª (07/12), às 20h; 5ª (08/12), às 20h). La strada, de Federico Fellini (Itália, 1954.  100 minutos. 12 anos). Giulietta Masina vive a ingênua Gelsomina, vendida por sua miserável mãe para o brutamonte Zampanò (Anthony Quinn em interpretação magistral), um artista que se apresenta arrebentando correntes. Gelsomina passa a ajudar Zampanò em suas exibições. A estrada da vida que percorrem guarda belas e trágicas surpresas para a dupla (4ª (07/12), às 16h; 5ª (08/12) às 16h). Como ser solteiro, de Rosane Svartman (Brasil, 1998. 92 min. 12 anos). Cláudio é um jornalista sem sorte com as mulheres. Ricardo um perfeito Casanova e decide ensinar ao amigo os segredos da sedução. Empolgados com o sucesso, a dupla decide escrever o Manual do Solteiro. É quando Mônica, Júlia e outras garotas, ao perceberem a armação, decidem reagir (4ª (07/12), às 16h e 20h; 5ª (08/12), às 20h). Bye Bye Brasil, de Cacá Diegues (Brasil, 1979. 100 min. 18 anos). Salomé (Betty Faria), Lorde Cigano (José Wilker) e Andorinha são três artistas ambulantes que cruzam o nordeste do Brasil com a Caravana Rolidei, fazendo espetáculos para camponeses, cortadores da cana, índios etc., sempre fugindo da concorrência da televisão (4ª (07/12), às 18h; 5ª (08/12), às 16h). Bate papo com Cacá Diegues e Rosane Svartman:  5ª (08/12), às 18h. Caixa Cultural, Av. Almirante Barroso, 25, Centro (2544-4080). Cinemas 1 e 2: 85 pessoas, cada sala.  R$ 2 e R$ 1 (meia).  Acesso para portadores de necessidades especiais. Até 18 de dezembro.

DOCUMENTÁRIOS GRATUITOS

MINÉRIOS DO BRASIL - De Maurício de Souza Dias. Documentário. O filme resgata uma das fases mais importantes da história do Brasil: a implantação da siderurgia brasileira, que significou um gigantesco passo para a economia interna do país e fez da siderurgia um dos ramos mais importantes da economia brasileira. Brasil, 2005. 52min. Estação Sesc Rio 2: 3ª, às 12h50. Grátis. Livre.  

HISTÓRIAS DE NOSSO POVO - De Christiano Ribeiro Pereira. Documentário. O filme coloca em foco a vida das pessoas que moram na Serra da Mantiqueira. Através de entrevistas com seus habitantes, a obra mostra a cultura, costumes e tradições da região – cenário de muitos acontecimentos importantes na história do país. Brasil, 2006. 52min. Estação Sesc Rio 2: 4ª, às 12h50. Grátis. Livre.