Supermercados têm prejuízo de R$ 31 milhões com chuvas em SP

As chuvas no estado de São Paulo já causaram prejuízo de R$ 31 milhões para os supermercados da região metropolitana, divulgou a Apas (Associação Paulista de Supermercados) nesta terça-feira (11).

De acordo com a entidade, o valor corresponde a 20% do faturamento diário total das varejistas.

"A maioria dos estabelecimentos afetados está localizada na Região Metropolitana de São Paulo, incluindo a capital, e a Baixada Santista", afirma Ronaldo dos Santos, presidente da Apas.

Santos afirma que metade dos associados que responderam à pesquisa relataram problemas com abastecimento por causa dos estragos na Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), o equivalente a seiscentas lojas.

"Aqueles que não tiveram problemas ligados diretamente ao abastecimento, foi porque se tratam de grandes redes, que contam com centro de distribuição próprio, e que não foram tão afetados pela chuva", explica o presidente da Apas. 

Na cidade de São Paulo, dois supermercados relataram alagamento total da loja e a ausência de funcionários nas varejistas chegou a 8%. 

A expectativa dos supermercadistas é que, com a Ceagesp voltando a funcionar, os prejuízos ao setor sejam reduzidos. 

"O maior problema agora é a logística, a distribuição, fazer com que os produtos cheguem no varejo. Neutralizando isso, esperamos que tudo comece a voltar à normalidade já a partir desta quarta-feira", explica Ronaldo Santos.

O setor não prevê aumento nos preços de legumes, frutas e verduras para o consumidor final nos supermercados.

"Se a Ceagesp voltar a abrir nos próximos dias, o preço dos produtos não deve ser afetado. Uma alta de preço ou falta de produto pode ser pontual, mas não deve acontecer, já que a chuva não afetou a cadeia de produção, mas apenas a distribuição."

CEAGESP

A Ceagesp anunciou que, por causa dos temporais, estima perda de 7.000 toneladas de alimentos. 

O volume responde por cerca de 70% da movimentação diária do centro (que fica entre 10 mil e 11 mil toneladas) e representa R$ 20 milhões em prejuízos aos permissionários --os comerciantes que atuam no local.

Pelo dia parado desta terça, no qual a companhia permaneceu com os portões fechados para a entrada e saída de alimentos, a estimativa é de uma perda extra entre R$ 3 milhões e R$ 4 milhões.

O presidente da Ceagesp, Johnni Hunter Nogueira, avalia que perdas dessa terça podem ser recuperáveis. "Por isso faremos uma força tarefa para que, assim que estiver completamente limpo, o mercado funcione 24 horas para diluir essas perdas", afirmou.

Todos os alimentos que entraram em contato com a água nas enchentes serão levados a um aterro sanitário e destruídos.

Os produtos mais atingidos foram frutas, legumes e verduras. Pescados e produtos de floricultura não tiveram prejuízos. As feiras de flores e pescados que ocorreria na madrugada desta terça (11) foi cancelada por causa do alagamento.

A expectativa é que não haja risco de desabastecimento, como vinha sendo cogitado, porque parte da mercadoria que seria entregue foi salva antes da enchente que atingiu a Ceagesp. (Laísa Dall'Agnol/FolhaPressSNG)