Bolsonaro volta a criticar isolamento social: 'todos nós iremos morrer um dia'

Macaque in the trees
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

O presidente Jair Bolsonaro, após passear pelo comércio de Brasília neste domingo (29), voltou a se posicionar contra o isolamento mais geral da população durante a pandemia de coronavírus.

Ao defender o isolamento apenas de idosos e de grupos de risco, Bolsonaro afirmou que é preciso poupar vidas, mas que "todos vão morrer um dia".

"Temos um problema do vírus? Temos. Ninguém nega isso daí. Devemos tomar os devidos cuidados com os mais velhos, com as pessoas do grupo de risco. Agora, o emprego é essencial", disse.

"Essa é uma realidade, o vírus tá aí. Vamos ter que enfrentá-lo, mas enfrentar como homem, porra. Não como um moleque. Vamos enfrentar o vírus com a realidade. É a vida. Tomos nós iremos morrer um dia", acrescentou o presidente.

Ao reiterar as suas críticas ao isolamento mais geral no combate ao coronavírus, Bolsonaro afirmou que os trabalhadores precisam dos empregos para ganhar seu sustento.

"Nós vai [sic] condenar esse cara a ir pra dentro de casa? Ficar dentro de casa, ele não tem poupança, não tem renda. A geladeira dele, se tiver, já acabou a comida, porque tem que trabalhar. Tem que sustentar a família. Tem que cuidar dos seus filhos", disse o presidente, citado pelo G1.(Sputnik Brasil)