'Se for o que parece, outro 1964 será inaceitável', diz Janot

"Isso definitivamente não é bom", afirmou o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, em reação às declarações do general do Exército Eduardo Villas Bôas, nesta terça-feira (3). Por meio do Twitter, o comandante militar questionou sobre "quem está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais' e disse que a o Exército "se mantém atento às suas missões institucionais".

"Se for o que parece, outro 1964 será inaceitável. Mas não acredito nisso realmente", criticou Janot.

Nesta terça, Villas Bôas disse que o Exército "julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia".

O general não citou nomes em sua mensagem, e questionou. "Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?".

A mensagem do comandante do Exército aconteceu na véspera do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pelo Supremo Tribunal Federal.

>> "Não é bom", diz Janot sobre fala de generais

>> 'Tenho a espada ao lado e aguardo suas ordens', diz general a Villas Bôas

>> Villas Bôas diz que Exército repudia impunidade

>> Ministério da Defesa apoia manifestação de comandante do Exército

>> Exército fica entre os assuntos mais comentados do mundo no Twitter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais