Na mesma ação que prendeu Yunes, PF leva sócio da Rodrimar para a detenção

O ex-coronel João Batista Lima, outro amigo de Temer, também foi preso

Além do advogado e empresário José Yunes, a Polícia Federal também prendeu nesta quinta-feira (29), um dos donos da empresa Rodrimar, Antonio Celso Grecco, que foi detido no interior de São Paulo. A ordem de prisão de Yunes é temporária (cinco dias).

Também foram presos na mesma operação o ex-ministro da Agricultura e ex-deputado federal Wagner Rossi, que em 1999 e 2000 foi diretor-presidente da Companhia Docas do Estado de São Paulo, estatal administradora do porto de Santos; Milton Ortolan, auxiliar de Rossi; e o ex-coronel da Polícia Militar de São Paulo João Batista Lima, outro amigo do presidente Michel Temer.

>> PF faz buscas na sede da Rodrimar

>> Raquel Dodge pediu prisão de aliados de Temer

>> PF prende ex-ministro Wagner Rossi e coronel da reserva Lima Filho

>> PF prende José Yunes, amigo e ex-assessor de Temer

>> PF prende mulher ligada ao Grupo Libra, no âmbito da Operação Skala

As ordens de custódia são do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal no âmbito do inquérito que apura o Decreto dos Portos. O presidente Michel Temer é um dos alvos da investigação e está sob suspeita de beneficiar a empresa Rodrimar na edição do decreto voltado ao setor portuário. A PF também vasculha a sede da Rodrimar, em Santos.

José Yunes é amigo de Temer há mais de 50 anos. O empresário foi assessor do emedebista na Presidência - e pediu demissão do cargo após a revelação do conteúdo da delação premiada do ex-executivo da Odebrecht Claudio Melo Filho.

O empresário também foi citado na delação do doleiro Lúcio Funaro, que afirmou que José Yunes era um dos operadores de Michel Temer.

A Polícia Federal informou que por determinação do STF "não se manifestará a respeito das diligências realizadas na presente data".

Defesas

O advogado José Luis Oliveira Lima, que defende Yunes, divulgou nota para comentar a prisão do seu cliente. "É inaceitável a prisão de um advogado com mais de 50 anos de advocacia, que sempre que intimidado ou mesmo espontaneamente compareceu à todos os atos para colaborar. Essa prisão ilegal é uma violência contra José Yunes e contra a cidadania", escreveu.

A reportagem fez contato com a defesa de Antonio Celso Grecco, mas ainda não obteve resposta. O espaço está aberto para manifestação.

>> Fachin inclui depoimento de Funaro em investigação sobre Temer, Moreira e Padilha