'Se pensam que com tiros vão me abalar, estão errados', diz Lula

Ex-presidente reagiu ao ataque sofrido à sua caravana na noite de terça-feira, no Paraná

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reagiu, na noite de terça-feira (27), após a caravana do PT no Paraná ter sido atingida por tiros. "Se pensam que com pedras e tiros vão abalar minha disposição de lutar estão errados. No dia em que minha garganta não puder mais gritar, eu gritarei pela garganta de vocês", escreveu no Twitter.

Dois ônibus da caravana foram alvejados por tiros no caminho entre Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul, no Paraná. Ninguém ficou ferido. A comitiva também teria passado por outro problema: ganchos de metal pontiagudos foram colocados na estrada por onde os coletivos passavam. Um deles teve o pneu furado.  "A nossa caravana está sendo perseguida por grupos fascistas. Já atiraram ovos, pedras. Hoje deram até um tiro no ônibus", comentou o perfil oficial do ex-presidente no Twitter.

>> Ônibus da caravana de Lula são atingidos por tiros no Paraná

>> Jungmann diz que tiros contra caravana de Lula são inaceitáveis

>> Palanque de Lula é atingido por ovos em São Miguel do Oeste (SC)

>> Caravana de Lula é atacada com pedras e ovos em Santa Catarina

Lula também deu declarações em vídeo publicado no Facebook: "O que estamos vendo agora não é política. Porque se quisessem derrotar o PT seria muito fácil. Lança candidato, vão para a urna, quem ganhar toma posse e quem perder vai chorar, como eu chorei quando perdi as eleições em 89, 94 e 98", afirmou, prosseguindo: "Se eles acham que fazendo isso vai nos assustar, não vai", disse o ex-presidente. "Isso vai motivar a gente a fazer muito mais coisa, porque nós não podemos permitir que depois do nazismo e do fascismo a gente permita grupos de fanáticos nesse país."

Ainda não foi identificado quem disparou contra a caravana petista. A Polícia do Paraná informou que investiga o caso e confirma que um ônibus foi atingido. Este ônibus levava jornalistas de blogs e sites independentes, que fazem a comunicação da caravana, e repórteres estrangeiros.

"É inadmissível, ainda mais atacar um ônibus que tem a imprensa. Se fosse eu até ficariam felizes porque não querem que eu dispute as eleições, mas o que é que a imprensa tem com isso?", perguntou Lula.

O ex-presidente lançou um desafio. "Se querem brigar comigo, vamos brigar. Eu gosto da briga, eu não sou um homem de correr da briga. Mas vamos respeitar a democracia nesse país. Democracia pressupõe a convivência na adversidade. Cada um faz a opção que quiser", finalizou o ex-presidente.

Diretório divulga nota

Ainda na noite de terça-feira, o Diretório do PT no Paraná divulgou nota afirmando que era inverídica informação de que Lula teria chegado de helicóptero aos campus da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) em Laranjeiras do Sul. "O Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores do Paraná (PT-PR) vem a público esclarecer que não é verdadeira a informação divulgada em nota do Departamento da Polícia Civil do Paraná, através da assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança Pública do Governo do Estado do Paraná (SESP-PR), na qual diz que o ex-Presidente Lula teria chegado de helicóptero no campus da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) em Laranjeiras do Sul. Lula chegou no local em um dos ônibus da Caravana, no qual fez o trajeto de Quedas do Iguaçu a Laranjeiras, como foi presenciado por centenas de pessoas e por profissionais de diversos órgãos de imprensa do Paraná, do Brasil e do Exterior."

AInda segundo a nota, o PT-PR participou de audiências com o comando das forças de segurança pública no estado para assegurar a proteção necessária à caravana. "Na oportunidade, entregou às autoridades ofício com detalhamento da trajetória da Caravana. A presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, ainda estabeleceu contatos com o Ministério da Justiça nesse mesmo sentido."

Gleisi: “Esperam morrer alguém na caravana para tomar atitude?”

Gleisi Hoffmann falou na noite de terça-feira sobre a violência contra a caravana. “Desde o Rio Grande do Sul temos alertado as autoridades, mandamos ofício ao ministro da Segurança Pública informando nosso roteiro e pedindo policiamento, mas ainda assim não temos segurança. Agora, aconteceu o cúmulo: nossa caravana foi vítima de emboscada, um atentado. Essas pessoas querem matar o presidente Lula. Eu quero saber o que as autoridades paranaenses têm a falar, bem como o ministro da Justiça, o governo brasileiro. Vamos ter que tem alguém morto nessa caravana para provar o que estamos dizendo, que estamos sendo vítimas de milícia armada?”

A caravana tem sido recebido com hostilidade por grupos no Sul do país. Rojões, ovos, pedras e até chicote já foram utilizados contra a comitiva de Lula. Ruralistas estariam à frente dos ataques. Durante visita ao campus da Universidade Federal da Fronteira Sul em Laranjeiras do Sul, Lula também comentou o ocorrido. “O que estou vendo aqui parece a criação do partido nazista. Os nazistas inventaram muita mentira também contra os socialistas e os democratas”, afirmou o ex-presidente. Esperamos que em está no governo estadual e federal, seja golpista ao não, assuma a responsabilidade. Atacaram o ônibus aonde estava a imprensa. Se eles acham que fazendo isso vão nos assustar, estão enganados. Vai nos motivar. Não podemos dizer que depois do nazismo esses grupos fascistas possam fazer o que quiser”

Lula ainda afirmou: “Se querem brigar, vamos brigar, mas vamos respeitar a democracia nesse país. A democracia significa o respeito a diversidade. Cada um tem direito de ser o que quiser, na política, na religião, no sexo, cada um faz a opção que quiser”.

Dilma: “Atentado contra Lula é inaceitável”

A ex-presidente Dilma Rousseff também divulgou nota comentando o ocorrido. "A tentativa de intimidar o presidente Lula e a Caravana Lula pelo Brasil, com tiros e agressões, é inaceitável. Não estamos mais nos anos 50 do século passado, ou na ditadura militar, quando a eliminação física de adversários políticos era uma constante no Brasil e na América Latina. Essa prática não pode ser tolerada. Tais ataques não vão intimidar democratas e militantes políticos."