Correios dizem não ter 'registro' de furto de munição usada na morte de Marielle

Os Correios informaram neste sábado (17) não ter "conhecimento" de que a munição utilizada no assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ) tenha sido furtada de sua sede. A informação foi dada em resposta à versão apresentada pelo ministro Extraordinário da Segurança Pública Raul Jungmann na sexta-feira (16), de que as munições pertenciam à Polícia Federal (PF) e que foram furtadas da sede dos Correios em 2006.

"Em resposta às recentes notícias sobre suposto desvio de carga pertencente à Polícia Federal ocorrido nos Correios, a empresa esclarece que, no passado recente, não há nenhum registro de qualquer incidente dessa natureza e que está apurando internamente as informações", diz nota. 

A empresa reforça ainda que "não aceita postagem de remessas contendo armas ou munição, exceto quando autorizado por legislação específica". "Neste caso, o tráfego, via Correios, de produtos controlados pelo Exército, submete-se às disposições estabelecidas no Regulamento para a Fiscalização de Produtos Controlados, conforme a Portaria nº 015/2009 – Colog/Ministério da Defesa."

De acordo com os Correios, por ser uma empresa pública, situações envolvendo armas, munições, drogas e outros itens proibidos no tráfego postal são encaminhadas à Polícia Federal, para investigação. "No caso do Rio de Janeiro, já foi instaurado inquérito pela PF, que é o órgão competente para prestar mais esclarecimentos sobre a matéria."

>> País tem pelo menos 194 assassinatos de políticos ou ativistas sociais em 5 anos

>> 'Defender direitos humanos é atividade de risco no Brasil', diz coordenadora de pesquisas da Anistia

>> Psol vai representar contra desembargadora que escreveu que Marielle era 'engajada com bandidos'