Futura ministra é incluída no Banco Nacional de Devedores Trabalhistas

Após repercussão do caso, deputada do PTB requereu parcelamento da dívida 

Impedida pelo Tribunal Regional Federal, mas ainda cotada pelo governo de Michel Temer para assumir o Ministério do Trabalho, a deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) foi incluída pela Justiça nesta terça-feira (9) no Banco Nacional de Devedores Trabalhistas.

A deputada foi condenada a pagar uma indenização de R$ 60 mil a um de seus ex-motoristas por não ter assinado a carteira do funcionário, que trabalhava 15 horas por dia e não teve benefícios pagos, mas apenas nesta segunda-feira (8), com a repercussão do caso, Cristiane requereu parcelamento da dívida. Para ter o nome excluído do BNDT a ré deve quitar a dívida.

Até outubro passado, a dívida não havia sido paga. Foi feito um acordo de pagamento do valor em 18 parcelas, mas, devido ao atraso, a ministra teve sua conta bloqueada, com penhora de R$ 30 mil. Cristiane Brasil sofreu novas penhoras no final de 2017, mas, apesar do salário de R$ 33 mil, a Justiça só encontrou R$ 700 em conta.

No processo, Cristiane Brasil alegou que o motorista realizava para ela trabalhos eventuais e que "não era nem nunca foi sem empregado". Já o motorista afirmou que trabalhou exclusivamente para a atual ministra e para os filhos dela de 2012 a 2014, entre 6h e 22h, levando as crianças a consultas médicas, escola e "baladas".

Em outro processo, que também tem um motorista como autor da ação judicial, a deputada se comprometeu a pagar R$ 14 mil em indenização, em parcelas de R$ 1 mil, além de assinar a carteira de trabalho do funcionário.