'FT': Crise econômica, política e moral do Brasil aumenta polarização

Jornal debocha: Bolsonaro faz com que Trump pareça moderado e autodisciplinado

Artigo de Martin Wolf, editor chefe de economia do britânico Financial Times publicado nesta quarta-feira (8) afirma que o Brasil está em crise econômica, política e moral e acrescenta que a economia sofreu uma grande recessão, com rendimentos muito baixos entre 2013 e 2016 além de apresentar um crescimento muito lento e posição fiscal insustentável.

FT destaca o escândalo de corrupção que envolveu a elite política e os principais empresários. De fato, o Supremo Tribunal autorizou as investigações sobre um terço dos atuais membros do gabinete, um terço dos senadores e um terço dos governadores estaduais, bem como o presidente, líderes do congresso e dos principais partidos políticos. Não surpreendentemente, políticos e partidos estão desacreditados. 

O autor diz que quando esteve no Brasil no mês passado soube que os especialistas locais temem que isso possa levar a uma extrema polarização da política. No entanto, uma crise também pode levar a mudanças. O Brasil deve aproveitar essa oportunidade.

"Não se deve exagerar a escuridão. A expectativa de vida aumentou de 60 anos em 1970 para 74 em 2017, enquanto a taxa de fertilidade caiu de cinco filhos por mulher para apenas 1,7. A energia do judiciário na investigação lava Jato é admirável. A recessão até apresenta sim uma recuperação suave: o Fundo Monetário Internacional prevê crescimento em 0,7% este ano e 1,5 por cento em 2018. Este último poderia ser muito pessimista. A estabilidade monetária obtida na década de 1990 persiste, com uma inflação ano-a-ano sobre os preços no consumidor até 2,5 por cento em setembro".

"No entanto, os desafios estruturais econômicos e políticos são enormes. A desigualdade de renda permanece entre as mais altas do mundo. Isso não é compensado pelo rápido crescimento: entre 1995 e 2016, o produto interno bruto bruto per capita subiu apenas 25%, colocando o Brasil atrás da Argentina, do México, da Colômbia e do Chile. Em relação aos EUA, o PIB real por cabeça do Brasil estagnou ao longo dos últimos 20 anos. É um pouco mais de um quarto dos níveis dos EUA, o que faz com que essa falha não seja perturbadora".

"De acordo com o Conference Board, a produtividade total dos fatores do Brasil - uma medida de sua taxa de inovação - caiu, a uma taxa média de 0,7% ao ano entre 2000 e 2016. A taxa de poupança nacional do Brasil, sempre baixa, foi de apenas 16%em  2016. Consequentemente, a taxa real de curto prazo do banco central atingiu a média de apenas 5% na última década. Como resultado, as taxas de investimento são bastante baixas também. Além disso, a população está envelhecendo. Ao todo, a taxa de crescimento do PIB potencial é provavelmente inferior a 2 por cento".

"Pequenas perspectivas de crescimento tornam pior a situação fiscal. O Brasil tem um enorme déficit fiscal estrutural: o FMI pensa que chegará a 11% do PIB até 2022. A receita já é bastante próxima de 30% do PIB. Isso deve aumentar com a recuperação, mas não o suficiente para fechar o déficit e aumentar o aumento do endividamento público, uma vez que as despesas são próximas de 40% do PIB. O limite de gastos exigido pelo governo resultará em gastos com mandato, especialmente em pensões. No início dos anos 2020, teria que eliminar todos os gastos discricionários".

"O Brasil precisa de uma reforma econômica e fiscal abrangente. As reformas econômicas mais importantes incluem: abrir uma economia relativamente fechada; reforma tributária; reforma do mercado de trabalho; maior investimento em infra-estrutura; e políticas destinadas a aumentar a poupança nacional. O último se conecta com as reformas fiscais. Estes devem incluir uma reforma abrangente das pensões, para controlar os gastos. Um regime de pensões financiado poderia aumentar a poupança nacional. O governo também deve ter a liberdade de controlar o número e o pagamento dos funcionários públicos. Fazer tudo isso liberaria recursos para outras áreas".

"Seria um erro ver as reformas necessárias como técnicas. Eles são altamente políticas. Eles envolvem fazer mudanças fundamentais na forma como o estado, os políticos e os funcionários. O sistema precisa passar da corrupção para a honestidade, da opacidade para a transparência, da discrição da previsibilidade para cuidar dos privilegiados para servir as pessoas. Isso é o que os escândalos de corrupção, a crise fiscal lenta, o padrão ineficiente de gastos do governo e as fraquezas econômicas de longo prazo estão dizendo aos brasileiros".

Particularmente em uma sociedade livre e democrática, fazer mudanças tão profundas representa um enorme desafio. Isto é especialmente verdadeiro quando a situação está melhorando no curto prazo. Além disso, o atual governo emérito (talvez surpreendentemente) e o banco central (muito menos) fizeram um trabalho digno de restabelecer a confiança no Brasil.

"No entanto, problemas políticos precisam de soluções políticas. Aqui, os presságios para a eleição presidencial em 2018 são ruins. Luiz Inácio Lula da Silva, sob pena de corrupção, está liderando nas pesquisas, mas pode ser impedido de permanecer no páreo. Em segundo nas pesquisas, Jair Bolsonaro, um líder da direita que faz com que Donald Trump pareça moderado e autodisciplinado. Nenhuma dessas pessoas forneceria as reformas que o Brasil agora precisa, por diferentes razões: Lula está desacreditado; e Bolsonaro é um autoritário populista. Existem melhores candidatos. Mas o suporte para eles ainda é modesto. 

É impossível visitar o Brasil, mesmo por um curto período de tempo, e não se entusiasmar com o calor do seu povo e a vitalidade de sua cultura. Mas o país caiu em tempos difíceis. Sim, a posição de curto prazo está melhorando um pouco. Mas muitas pessoas estão desempregadas, a economia é muito fraca, a política também é corrupta e o estado também capturou. É isso que a história e os recentes acontecimentos dizem aos brasileiros. O Brasil precisa de um renascimento político e econômico. A crise torna isso necessário. Se isso não acontecer, o futuro parece triste".

>> Financial Times