'Piauí': Meirelles e a autossabotagem da candidatura à 2018

Em reportagem para a edição de novembro da revista piauí, a jornalista Malu Gaspar faz um perfil do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que vem admitindo nas últimas semanas ser um "presidenciável", um potencial candidato à disputa eleitoral pela Presidência da República em 2018.

Segundo a jornalista, o ministro tem um currículo invejável, de muitos atributos (foi o primeiro brasileiro a ser presidente mundial de um banco – BankBoston, nos anos 90 –; o mais longevo presidente do Banco Central, nos anos 2000). No entanto, argumenta Gaspar, os últimos passos de Meirelles se tornaram uma autossabotagem a 2018:

"Nenhum desses 'atributos' lhe trará a sonhada candidatura presidencial. Pelo contrário. Como se acha um especialista no jogo político, Meirelles vem tomando iniciativas que mais parecem autossabotagem do que autopromoção. Somadas, sugerem afoiteza e isolamento em vez de força."

Visto como o homem do governo Temer que conseguiria fazer o Congresso aprovar as reformas, sobretudo a da Previdência, Meirelles agora suscita dúvidas no próprio mercado, a quem ele nunca sinalizou com dúvidas.

"O pessoal da Bolsa começou a se perguntar se o ministro não estava querendo demais essa candidatura, a ponto de sacrificar o empenho pelas reformas e perder o foco na gestão da economia. Num governo que o tem como avalista, esse tipo de desconfiança não é pouca coisa. Ao constatar a má repercussão, Meirelles recuou de novo e tentou desdizer o que havia dito, mesmo divulgando uma nota que, no final das contas, confirma o que está na entrevista.", afirma a jornalista.

No perfil da piauí, Malu Gaspar observa que o ministro começou a perceber o tiro no pé e que vem tentando salvar sua candidatura. Ele fala "de forma errática" e "dá entrevistas de manhã, de tarde e de noite, buscando criar (ou reforçar) a imagem de bom gestor", mas aborda cada vez mais política e cada vez menos a economia do país, sem fazer jus ao posto para o qual ele foi designado.

"Fala tanto, de forma tão errática, e cada vez mais sobre política e menos sobre economia, que já tem gente se perguntando se ele sabe mesmo o que está fazendo. Irritado com as idas e vindas do ministro, o deputado Marcos Montes, maior apoiador de Meirelles no PSD, agora diz que vai dar um tempo. A continuar nesse ritmo, ele vai acabar matando a própria candidatura. E a culpa não será da imprensa.", assinala Malu Gaspar.