Dallari critica Gilmar Mendes por referência a caso José Dirceu em bate-boca com Barroso

"Toma um caso pendente no STF como base para acusação grosseira ao seu colega"

O jurista Dalmo Dallari criticou, nesta sexta-feira (27), a manifestação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, quando, durante uma discussão com seu colega, Luís Roberto Barroso, afirmou que ele havia soltado o ex-ministro José Dirceu. Dallari alertou que a manifestação de Gilmar Mendes era "escancaradamente política e não jurídica", que o caso de Dirceu ainda estava pendente e que "não há qualquer fundamento jurídico para que se tome ele como exemplo de uma distorção ou parcialidade."

Durante o bate-boca, Gilmar Mendes se dirigiu a Barroso: "Veja o caso... Solta cumprindo a Constituição. Quem gosta de prender? Vossa excelência quando chegou aqui soltou o José Dirceu."

Barroso respondeu: "Ele recebeu indulto do presidente da República."

Gilmar Mendes retrucou: "Não, não. Vossa excelência julgou os embargos infringentes."

Barroso rebateu mais uma vez: "Absolutamente, é mentira."

"Essa manifestação do ministro Gilmar Mendes sobre a figura de José Dirceu é escancaradamente política e não jurídica. Na realidade o processo de Dirceu ainda está pendente, e não há qualquer fundamento jurídico para que se tome o seu caso como exemplo de uma distorção ou parcialidade. Na realidade, a parcialidade que se pode inferir é exatamente a do ministro Gilmar Mendes, que toma um caso pendente no Supremo Tribunal Federal como base para acusação grosseira ao seu colega", avaliou Dalmo Dallari. 

O jurista prosseguiu: "Pelo que se verifica, existe de fato tomada de posição política que independe de fatores jurídicos, mas tenho a convicção de que a maioria do Supremo tem mais equilíbrio que Gilmar Mendes. Desde antes de assumir no Supremo, ele já demonstrava que não tinha condições para estar na Corte, porque lhe faltavam dois requisitos expressamente exigidos pela Constituição: notório saber jurídico e reputação ilibada", destacou Dalmo, fazendo referências a reportagens já publicadas na ocasião sobre, como definiu, "desníveis éticos". 

"E ele não melhorou nada neste sentido", finalizou.

Veja a discussão entre Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso