'Les Echos': Política do Brasil é uma verdadeira bagunça e atinge economia

Reportagem se refere aos repetidos escândalos de corrupção na classe política

Matéria publicada nesta sexta-feira (26) pelo jornal Les Echos fala que o gigante latino-americano que está em crise por doze anos, continua atolado em corrupção e com isso as reformas econômicas acabam estagnadas. 

O diário aponta que os escândalos no Brasil não param nunca. A mais recente história revela ligações entre alguns o presidente Michel Temer e um grande empresário, processado por corrupção. 

Les Echos diz que a crise política que passa no Brasil é "uma verdadeira bagunça, repetida ao longo de décadas, patrocinado por uma classe dominante que pensa que é impune á justiça". 

> > 'Libéartion': Temer, o destituidor, está prestes a ser destituído

"De qualquer forma, todo mundo sabia que eles estavam podres ', diz ironicamente, um operador de mercado, em relação aos atuais líderes.

Os 200 milhões de brasileiros, cansados de escândalos de corrupção, tem a impressão de ver um filme ruim, sempre com os mesmos efeitos especiais registrados em diálogos frescos e transmitidos pelos meios de comunicação. 

O periódico lembra que em 2005, o alvo era a equipe do presidente Lula que tinha sido implicado em um escândalo de subornos destinados a constituir uma sólida maioria no Congresso, chamado de "mensalão". Depois, há três anos atrás, veio á tona o escândalo Petrobras (o "Petrolão"), que se tornou público, e dura até até hoje graças à polícia Federal e justiça responsável pela "Lava Jato".

O mais impressionante é que, apesar da repressão contra a corrupção nos últimos anos (muitos políticos e líderes empresariais foram efetivamente condenados à prisão), as práticas parecem continuar. 

A nova crise política que ela continuará a pôr em risco mais uma vez as chances de recuperação econômica? o próprio Michel Temer exortou seus compatriotas a não desperdiçar os esforços, criados no ano passado para tirar o país da recessão. 

A economista brasileira Monica Bolle, professora de relações internacionais na Universidade Johns Hopkins, em Washington, já diz "sentir uma espécie de rejeição ao Brasil [e intenção] de suspender qualquer investimento antes que a situação comece a desaparecer. " "Em geral, ela disse, eu me sinto exausta com estas convulsões nacionais. "

O Brasil não tem experimentado um crescimento sustentado desde os anos 1980. Certamente não é por falta de recursos naturais ou talento. Mas, diz Naercio Menezes, do Centro de Políticas Públicas do Insper, uma escola de negócios local, "nosso país parece seguir o exemplo da Argentina, que, apesar de ser uma das economias mais ricas do mundo no século XIX em desenvolvimento, passou por uma dezena de crises sucessivas. 

"Antes que você pergunte:" Quando é que vamos conseguir sair deste estado de crise permanente? "Eventos atuais não incentivam o otimismo.

> > Les Echos