'The Guardian': Revelações após saída de Dilma destacam hipocrisia daqueles que a derrubaram

Jornal britânico diz que Brasil pode em breve ter seu terceiro líder em menos de um ano

The Guardian publicou nesta quarta-feira (24) um artigo sobre o cenário político atual do Brasil. As alegações explosivas enfrentadas pelo presidente Michel Temer, são apenas a mais recente manifestação de um escândalo, diz o texto. 

Guardian avalia que uma solução política rápida não resolverá os problemas. Os brasileiros gostariam que o presidente falasse sobre o que está acontecendo. Depois de três anos de turbulência política causando repulsa pública, a investigação "Lava Jato", que envolveu algumas das maiores empresas do país e um número assustador de seus políticos esta sob crescente pressão.

> > 'Time': Temer está na lista dos cinco presidentes menos populares que Trump

> > 'Le Monde': "Cowboys maquiavélicos" da JBS estremecem o Brasil

Diário britânico aponta que algumas alegações explosivas sobre uma gravação envolvem o presidente Temer. Sua popularidade caiu para números baixíssimos, mesmo antes das alegações. Agora, o principal promotor do país o acusou formalmente de conspirar para silenciar testemunhas e obstruir a investigação de corrupção.

Temer nega o erro, insistindo que a gravação foi adulterada, e diz que sua renúncia seria uma admissão da culpa, diz o noticiário. Outras considerações estão, sem dúvida, pesando em sua mente - como o fato de que perderia o foro privilegiado. O impeachment exigiria a aprovação pelo Congresso para prosseguir. O apoio dentro de seu Partido Democrático Brasileiro e sua coalizão está desmoronando.Mas mesmo assim, o Brasil poderia em breve ter seu terceiro líder em menos de um ano.

The Guardian afirma que a política brasileira tem sido completamente desacreditada. As revelações que surgiram desde que Dilma Rousseff foi forçada a sair no ano passado destacaram a hipocrisia daqueles que a derrubaram. Embora Rousseff tenha sido acusada por acusações separadas, e parecia relativamente limpa, a raiva contra ela foi alimentada por revelações sobre seu Partido dos Trabalhadores. Em março, o principal orquestrador de seu impeachment, Eduardo Cunha, foi preso por mais de 15 anos em relação a um suborno de US $ 1,6 milhões. A fita do Sr. Temer, que era seu adjunto mas foi acreditado para conspirar contra ela nos últimos estágios do escândalo, supostamente captura-o que aprova pagamentos em dinheiro ao Sr. Cunha.

> > The Guardian