'El País': O que é o 'caso Odebrecht' e como afeta países da América Latina

A corrupção do gigante construção sacode a classe política latino-americana

O jornal espanhol El País publicou uma matéria explicativa sobre o caso Odebrecht e como atinge todos os países da América latina. A empreiteira brasileira Odebrecht ganhou espaço nos 27 países onde atua vendendo a execução de grandes obras de infraestrutura. A companhia fundada pelo engenheiro Norberto Odebrecht já construiu desde linhas de metrôs no Peru a hidrelétricas no Panamá e rodovias na Argentina. 

A reportagem salienta que ficou claro que o sucesso da companhia teve um preço que ela decidiu pagar. A empresa ganhou as manchetes do mundo pela eficiência de uma rede internacional de distribuição de propinas. De acordo com investigações do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a empresa pagou subornos milionários para políticos, partidos e funcionários públicos em ao menos 12 países para garantir a preferência em obras públicas. Destes, 10 ficam na América Latina: Argentina, Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, Guatemala, México, Panamá, Peru e Venezuela. No total, a empreiteira teria desembolsado 439 milhões de dólares (cerca de 1,4 bilhão de reais) para conseguir vantagens indevidas no exterior.

O diário espanhol descreve que a Odebrecht é o personagem central da trama descoberta pela Operação Lava Jato, que começou a investigar em 2014 um esquema de corrupção na Petrobras que se arrastava há décadas. Sabia-se, então, que era preciso chegar à Odebrecht que tinha contratos firmados com a petroleira brasileira desde os anos 1950. Levou mais de um ano para que os investigadores encontrassem as primeiras evidências criminosas que levaram Marcelo Odebrecht, presidente e neto de fundador do Grupo, à prisão em junho de 2015. Desde então, o país vai conhecendo detalhes do bilionário e sofisticado sistema de corrupção liderado pela construtora e suas subsidiárias, que distribuiu propinas para além das fronteiras brasileiras.

Veja o que foi descoberto em cada país da América Latina, até o momento:

> > El País Qué es el ‘caso Odebrecht’ y cómo afecta a cada país de América Latina

Argentina

Na Argentina, a noção de que caso Odebrecht foi um problema do kirchnerismo era dado como certo. Durante os 13 anos no poder de Nestor e Cristina Kirchner, a multinacional brasileira fez um grande negócio e, de acordo com a investigação judicial, ele contribuiu para "intermediários" em Buenos Aires com cerca de 35 milhões que lhe permitiu acesso aos contratos de 278 milhões de dólares. No entanto, o escândalo tomou um rumo inesperado e começou a respingar no atual presidente Mauricio Macri.

O chefe de inteligência argentino, Gustavo Arribas, um amigo próximo do presidente, a ponto de alugar seu apartamento de luxo onde viveu antes de se mudar para a residência oficial foi forçado a depor perante a Justiça Argentina por conta de uma transferência de quase $ 600.000 que ele fez em 2013 a Leonardo Meirelles, uma pessoa normalmente usada pela Odebrecht para pagar suas propinas. O governo argentino negou esta hipótese e Macri defendeu seu amigo.

Brasil

quadros corruptos que afetam a classe política e empresarial brasileira Odebrecht misturam e se o caso não é excepção. Segundo a pesquisa em torno da aberto porque afeta a companhia petrolífera estatal brasileira Petrobras, cerca de 20.000 milhões de reais ($ 6.400 milhões) desviados, 7.000 (2.250 milhões de dólares) foi para a Odebrecht. Acredita-se que a multinacional concordou em que a fonte de dinheiro pagando até 1.000 milhões de reais (320 milhões de dólares) em subornos a políticos e outros funcionários públicos, geralmente na forma de doações para campanhas eleitorais.

Até agora, a parte jurídica ligada à Odebrecht necessário um órgão judicial iria validar a confissão de até 77 de seus executivos. Assim fez o Supremo Tribunal de Justiça em 30 de Janeiro. Confissão está sob uma ordem de mordaça, mas a imprensa brasileira se infiltrou ao público alguns nomes-chave, entre os quais o atual presidente, Michel Temer e os seus antecessores Dilma Rousseff e Luiz Inacio Lula da Silva. Na verdade, a empresa exdirectivos presentes detalhadas para Lula e doações ilegais para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, sem nenhum custo no Partido da Social Democracia Brasileira (PSBD), mas com grande influência em alguns setores. O patriarca da construção, Emilio Odebrecht, acusou o ex-presidente brasileiro entre 1995 e 2003 de receber doações ilegais para financiar sua última campanha presidencial. A trama de corrupção também espirrar outros líderes do partido de José Serra, o chanceler atual Geraldo Alckmin, governador de São Paulo e strongman Geral para 2018.

Chile

O país não foi incluído inicialmente na lista de estados alcançados pelo enredo corrupto, mas a polícia chilena registrou na sede início de março Odebrecht em Santiago de apreender documentos. Procurador-Geral do Chile, Jorge Abbott, anunciou que um dos membros de sua equipe iria viajar para Brasília e contou o interesse da mídia em falar com "certas pessoas" em relação aos fatos "que poderiam ter ocorrido no Chile e que poderia, eventualmente, constituir um crime. " 

Colômbia

O gerente de campanha do presidente Juan Manuel Santos, Roberto Prieto, reconheceu em março passado que a Odebrecht lhes tinha financiado irregularmente a pagar cartazes eleitorais em 2010. Dadas as declarações, o presidente colombiano lançou um comunicado oficial via Twitter condenar esse tipo de financiamento, mas não negou. Santos foi limitado para garantir que não estava ciente dos pagamentos e pediu para investigar e condenar os responsáveis por irregularidades.

o nome do presidente ligada ao caso Odebrecht já havia aparecido na boca do Ministério Público, que disse que parte do dinheiro recebido como propina por um ex-senador detido no início deste ano "teria" feito na campanha presidencial de Juan Manuel Santos em 2014. em fevereiro, o procurador foi para esclarecer que condicional e explicou que respondeu apenas para o testemunho de um ex-senador detidos, Otto Bula, mas não havia nenhuma prova física de que isto aconteceu, então ele pediu para investigar uma queixa feita pela próprio presidente. Enquanto o Governo totalmente em defesa de Santos.

Em janeiro passado foi preso o ex-congressista Otto Bula Partido Liberal, acusado de receber uma comissão de US $ 4,6 milhões para favorecer a Odebrecht na concessão de uma estrada. A partir da declaração de Bula, o Gabinete emitiu a declaração esclareceu mais tarde. No entanto, o ex-senador é então retraído suas palavras, dizendo que nunca havia pronunciado, em uma declaração escrita dirigida ao Conselho Eleitoral Nacional, o órgão responsável pela investigação.

As ramificações colombianos do caso se estendem até as FARC. De acordo com a revista Veja, uma empresa líder brasileira Odebrecht reconheceu ter pago por duas décadas um imposto aos revolucionários guerrilheiros colombianos em troca de garantias de segurança no território, enquanto se construiu uma estrada entre o centro do país e a costa do Caribe.

O procurador-geral da Colômbia, Nestor Humberto Martínez, viajou em 16 de Fevereiro  a Brasília para se reunir com o Procurador-Geral do Brasil, Rodrigo Janot, e continuar a trabalhar na investigação do caso.

Equador

O Equador também foi afetado. Os funcionários do governo receberam 33,5 milhões entre 2007 e 2016. Escritório do Equador pediu ajuda da Espanha para tomar depoimentos de Rodrigo Tecla Durán, um detento envolvido em solo espanhol que pode fornecer informações sobre o caso Odebrecht no Equador. Duran está sendo investigado por suposta lavagem de dinheiro, suborno de funcionários e pertencer a uma organização criminosa ..

México

Os detalhes das operações da Odebrecht no México começam a vir à tona. A Auditoria Superior da Federação (ASF), uma espécie de tribunal de contas encarregado de fiscalizar o uso de recursos públicos no país, encontrou irregularidades em dois contratos de 2014 entre a estatal Petróleos Mexicanos(Pemex) e a empreiteira brasileira. Representantes da construtora, que protagoniza o maior escândalo de corrupção da atualidade na América Latina, que no Brasil está sendo investigado pela Operação Lava Jato, confessaram em dezembro terem entregado propinas equivalentes a 32,6 milhões de reais a altos funcionários de uma empresa controlada pelo Estado mexicano. Os pagamentos, segundo delações feitas ao Departamento de Justiça dos Estados Unidos, ocorreram entre outubro de 2013 e o final de 2014, tendo como objetivo a concessão de contratos em nome de uma companhia cujo nome não foi revelado.

Panamá

No Panamá, especula-se que um dos beneficiários teria sido um dos filhos do ex-presidente Ricardo Martinelli (2009-2014), Luis Enrique Martinelli Linares. Pai e filho também negaram a acusação e se dizem vítimas de uma campanha política e midiática.

Peru

No Peru, por exemplo, a empresa reconheceu o pagamento de 29 milhões de dólares em subornos a funcionários dos Governos peruanos entre 2005 e 2014. A confissão abrange os mandatos dos ex-presidentes Alejandro Toledo (2001-2006), Alan García (2006-2011) e Ollanta Humala (2011-2016). Em fevereiro deste ano, Humala havia sido apontado como receptor de 3 milhões de dólares da Odebrecht em propinas, o que ele negou à época.

República Dominicana

O Ministério Público da República Dominicana chegou a um acordo com a Odebrecht para que a empresa pague US$ 184 milhões, o dobro que admitiu ter pago em propinas a funcionários do governo para vencer licitações de obras públicas entre 2001 e 2014. O pacto ainda precisa ser homologado pela Justiça.

O acordo foi questionado pela oposição e diversos grupos que integram o coletivo Macha Verde. Na semana passada, eles entregaram à presidência um abaixo-assinado para exigir a criação de uma comissão de promotores independentes, acompanhados pela ONU, para investigar as propinas pagas pela Odebrecht.

Venezuela

Na Venezuela, delatores já mencionaram um valor de 3 milhões de dólares pagos pela empreiteira para a campanha de Hugo Chávez e Nicolás Maduro (2012-2013).

> > 'Le Monde': Vídeos revelam extensão da perversão do sistema político brasileiro

> > 'Clarín': Temer, Lula e FHC se unem para abafar Lava Jato

> > 'El País': Revelações da Odebrecht desfazem mito Lula

> > 'Le Figaro': Escândalo político pode paralisar Brasil