Teori: FAB diz que gravações de avião não apontam anormalidades

Piloto falou da chuva, mas não relatou problemas no avião

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) informou nesta terça-feira (24) que conseguiu extrair com sucesso os dados do gravador de voz da cabine (CVR - cockpit voice recorder) do avião PR-SOM que caiu em Paraty (RJ), na última quinta-feira (19), com o ministro do Supremo Tribunal federal (STF), Teori Zavascki. 

O chip de memória do gravador de voz da cabine do avião está sendo avaliado por uma equipe do laboratório de leitura e análise de dados de gravadores de voo (Labdata) do Cenipa. Em uma análise preliminar, os dados extraídos não apontam qualquer anormalidade nos sistemas da aeronave.

O piloto do avião, Osmar Rodrigues, fez comentários sobre a chuva e afirmou que iria esperar ela passar para pousar, de acordo com técnicos que tiveram acesso ao áudio do gravador de voz. Em seguida, a gravação é interrompida. Não teria havido relatos de problemas na aeronave antes da queda em Paraty.

>> Justiça decreta sigilo das investigações sobre queda de avião com Teori Zavascki

>> Cármen Lúcia não deve homologar delações

>> Gilmar Mendes quer que Temer escolha relator da Lava Jato

>> Em pesquisa, maioria acredita que morte de Teori foi crime

De acordo com o chefe da divisão de operações, coronel Marcelo Moreno, o equipamento gravou os últimos 30 minutos de áudio do voo e isso inclui não só informações de voz, mas outros sons que serão importantes para a investigação.

"Nós analisamos sons diferentes, em que possamos identificar, hipoteticamente falando, o ruído de um trem de pouso sendo baixado, a aplicação de algum grau de flap ou outro equipamento aerodinâmico da aeronave", explica o coronel. A gravação de áudio também pode indicar um início de descida, por exemplo.

A memória possui quatro canais de áudio, sendo um do piloto, um do copiloto, uma de área da cabine e o quarto do engenheiro de voo ou comissário. Os dados do chip foram baixados utilizando equipamentos e softwares do fabricante do gravador de voz.

O flexcable (cabo de conexão) que comunica os dados do chassi do gravador para a memória estava molhado. Houve a substituição por outro novo, minimizando a possibilidade de um curto circuito ou a perda de dados, caso tivesse sido utilizado o cabo contaminado pela água salgada.

No momento, os técnicos estão fazendo o tratamento do áudio. Depois dessa etapa, os dados serão analisados.