'Clarín': Dilma diz que “não pode deixar de sentir o sabor amargo da injustiça”

Reportagem diz que país vizinho acompanha com atenção ao destino da presidente 

Matéria publicada pelo jornal argentino Clarín nesta segunda-feira (29) conta que a situação de Dilma ganhou destaque na rede social desta manhã. 

‘Dilma Rousseff’, ‘impeachment’, ‘pela democracia’, ‘fora Dilma’ e ‘força Dilma’.

A reportagem diz que a imprensa argentina está acompanhando e publicando em tempo real a defesa da presidente afastada.

“Dilma enfrenta o Senado para tentar salvar seu governo”, informa a correspondente do Clarin no Brasil, Eleonora Gosman.

O Clarín acrescenta que as emissoras de televisão, como TN (Todo Noticias), de Buenos Aires, descrevem com minuciosidade a jornada de Dilma no Senado, onde é julgada no processo de impeachment. Ela é acusada de crime fiscal. 

O jornal argentino relata que Dilma chamou de “golpe” o processo de impeachment. “São pretextos para viabilizar um golpe na constituição”, disse. Ela reiterou que não cometeu crime de responsabilidade – motivo do processo – e disse que “quem afasta o presidente é o povo nas eleições”. Dilma recordou que foi a primeira mulher a chegar à Presidência do Brasil e seus tempos como presa política durante a ditadura brasileira.

No Senado, ela afirmou, como destaca a imprensa argentina, “que não pode deixar de sentir o sabor amargo da injustiça”.

Esta etapa do processo de impeachment vem sendo acompanhada por diferentes setores na Argentina. Na semana passada, quando os senadores passaram a julgá-la o interesse ainda parecia tímido aqui no país vizinho.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais