'Não autorizei pagamento de caixa 2 a ninguém', afirma Dilma Rousseff

A presidente afastada Dilma Rousseff (PT) falou na manhã desta sexta-feira (22), em entrevista a rádio Jornal Commercio, do Recife, sobre as declarações do ex-marqueteiro do PT João Santana e a mulher dele, Mônica Moura, a Sérgio Moro. "Não autorizei pagamento de caixa dois a ninguém. Na minha campanha, procurei pagar só o valor que devia”. Dilma ressaltou que, se houve pagamento, não foi com o consentimento dela.

João Santana e Mônica Moura admitiram a prática, pela primeira vez, ao juiz responsável pelas investigações da Operação Lava Jato nesta quinta (21). De acordo com eles, o pagamento de US$ 4,5 milhões feito pelo engenheiro Zwi Skornick foi de caixa dois da campanha presidencial, em 2010. 

Dilma também ressaltou que luta para permanecer no cargo. “É preciso respeitar os votos.Não há base para o processo. Sindicâncias e perícia do Senado mostraram que não há dolo nem autoria. Por isso, não há crime”, ressaltou.

Sobre o ministro da Fazenda do governo interino de Michel Temer, Henrique Meirelles, ela comentou: “Não vejo nenhum defeito na pessoa de Henrique Meireles. É capaz e competente.” Não deixou, contudo, de criticar ações do governo interino de Michel Temer. "O que o governo provisório está fazendo? Está acabando com o programa da Faixa 1, que é o coração do Minha Casa, Minha Vida”.

“Ele [Michel Temer] deu mais tarde [o aumento no Bolsa Família]. Os 12% dele equivalem aos meus 9% de aumento, o que eu iria dar. Acho excesso dar aumento para os que ganham mais, como ele está fazendo. Diante das dificuldades, não pode dar aumento para camadas do funcionalismo que ganham mais.”

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais