'El País': Temer nega acusações de suborno mas delator reafirma denúncias

Segundo o ex-presidente da Transpetro, todos os políitcos denunciados tinham noção dos ilícitos

O jornal espanhol El País traz nesta sexta-feira (17) uma matéria sobre a fumegante delação premiada de Sergio machado, ex-presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobras. 

A reportagem começa relatando que o presidente interino Michel Temer fez um pronunciamento na manhã de quinta-feira (16) para comentar o conteúdo da delação de Sérgio Machado. No começo de sua fala, Temer ressaltou que falava como um homem que defende sua honorabilidade e, dirigindo-se à sua família e ao povo brasileiro, classificou a revelação de Machado como “irresponsável, leviana, mentirosa e criminosa”. Afirmou ainda que, se tivesse cometido algum delito, não teria condições de presidir o país. 

> > > El País El presidente de Brasil tacha de falsa la acusación de corrupción

El País informa que o ex-presidente da Transpetro disse em sua delação que Temer negociou propina para Gabriel Chalita, em 2014, quando ele era candidato à prefeitura de São Paulo.

O periódico afirma que horas após o pronunciamento, Machado divulgou uma nota para reafirmar suas denúncias, destacando que "quando se faz acordo de colaboração assume-se o compromisso de falar a verdade e não se pode omitir nenhum fato". Na mensagem, Machado diz que foi procurado pelo senador Valdir Raupp (PMDB-RO) em 2012 por conta de uma demanda de Temer: ajudar na candidatura de Gabriel Chalita à prefeitura de São Paulo. 

O jornal espanhol destaca a fala do delator: "o [então] vice-presidente e todos os políticos citados sabiam que a solicitação seria repassada a um fornecedor da Transpetro, através de minha influência direta". "Não fosse isso, ele teria procurado diretamente a empresa doadora".

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais