Deputados do governo e da oposição já admitem que Senado afastará Dilma hoje

Antes mesmo do início da votação do impeachment no Senado, deputados do governo e da oposição já acreditam que os senadores vão referendar a votação da Câmara dos Deputados e afastar a presidente Dilma Rousseff. O Senado analisa o pedido de abertura de processo de impeachment neste momento, e a previsão é que o resultado só sairá na madrugada de quinta-feira. 

O deputado Caetano (PT-BA) disse que esta data será conhecida como “o Dia da Vergonha Nacional”. “O Senado vai afastar uma presidente da República no tapetão. Mas a luta continua”, adiantou. 

Já o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) disse que a presidente Dilma será “apeada” do Poder, entre outros fatos, porque mentiu. E citou as negociações salariais frustradas com policiais federais e outras categorias. 

Reforma ministerial

O deputado Cláudio Cajado (DEM-BA), por outro lado, elogiou a indicação de Henrique Meirelles para o comando da equipe econômica do vice-presidente Michel Temer e criticou Dilma Rousseff por gastar sem respaldo financeiro e orçamentário. 

“Dentro de poucas horas esse governo estará indo embora e já vai tarde”, disse Cajado, que garantiu apoio ao governo interino de Michel Temer. “Nós vamos apoiar o governo, mas vamos cobrar resultados, que faça diferente do que está aí”, afirmou. 

Na avaliação do deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), a reforma ministerial anunciada por Temer, com a extinção de cargos, não vai trazer economia. “Vai continuar a existir toda a estrutura dos ministérios extintos, com todos os cargos. O que muda é a placa do cargo, que deixa de ser ministro para ser secretário”, criticou. 

Contrário ao impeachment, o deputado Edmilson Rodrigues (Psol-PA) disse que o partido vai se insurgir contra qualquer projeto que possa significar cortes de direitos trabalhistas.