Defesa de Lula pede investigação de Moro por grampo em telefone de advogado

Ramal do escritório 'Texeira, Martins & Advogados' foi interceptado

Os advogados do ex-presidente Lula pediram, na noite de quarta-feira (6), ao Supremo Tibunal Federal (STF), a investigação do juiz Sergio Moro por interceptação ilegal de telefone do escritório que defende o líder petista. O magistrado teria grampeado o principal ramal do escritório Texeira, Martins & Advogados.

A defesa de Lula solicitou, no pedido, que o Ministério Público Federal do Paraná apure o caso, mas de maneira separada da Operação Lava Jato. Os advogados também pedem que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) avalie eventuais infrações do magistrado.

Moro argumentou que o telefone estava registrado como se pertencesse à empresa de palestras do ex-presidente e que um dos advogados, Roberto Teixeira, que é sócio do escritório, também está envolvido nas investigações, o que autorizaria o grampo.

>>Zavascki: lei diz que tudo sobre delação premiada deve ser mantido em sigilo

Em nota, o Instituto Lula condenou a prática de grampear telefones de advogados que defendem pessoas investigadas pela Justiça:

"A interceptação telefônica de advogados constituídos por pessoa que sofre persecução penal por parte do Estado, é um dos mais graves atentados ao Estado Democrático de Direito. A sua ocorrência torna o procedimento ilegítimo e o macula de forma definitiva. Há, nessa situação, clara violação à garantia constitucional da ampla defesa e, ainda, da inviolabilidade das comunicações telefônicas entre cliente e advogado, assegurada por lei."

A nota também lembra que não é a primeira vez que o juiz Sergio Moro se envolve neste tipo de polêmica. 

"Não é a primeira vez que o Juiz Sérgio Moro se vê envolvido no monitoramento de advogados. No julgamento do HC nº 95.518, o STF observou que 'revelam-se abusivas as reiterações de prisões desconstituídas por instâncias superiores e as medidas excessivas tomadas para sua efetivação, principalmente o monitoramento dos patronos da defesa, sendo passíveis inclusive de sanção administrativa'."

O texto completo pode ser lido no site do Instituto.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais