Criticado, Eduardo Cunha pode rever manobra que modifica Conselho de Ética

Peemedebista apresentou projeto para redefinir todas as comissões da Câmara

Aliados do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), admitiram nesta quarta-feira (30) que o peemedebista pode rever o Projeto de Resolução apresentado à Mesa Diretora da Casa para redefinir a composição das comissões, com base nas novas bancadas decorrentes das recentes migrações de deputados entre os partidos. 

Também nesta quarta-feira (30), durante a reunião do Conselho de Ética, o deputado José Carlos Araújo (PR-BA) criticou duramente a tentativa de manobra de Cunha para fazer voltar ao início o processo contra ele.

Cunha é julgado no Conselho de Ética da Câmara por quebra de decoro parlamentar, por ter mentido na CPI da Petrobras, no início de 2015, quando disse que não era titular de contas secretas no exterior. Posteriormente, o Ministério Público Federal (MPF) trouxe à tona provas das contas do presidente da Câmara.

Além de estar sendo julgado no Conselho de Ética, Eduardo Cunha é réu no Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção, lavagem de dinheiro e ocultação de contas no exterior. A mulher e a filha de Cunha, Claudia Cruz e Danielle Cunha, também foram denunciadas pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Como as duas não têm foro privilegiado, o processo está nas mãos do juiz federal Sergio Moro, coordenador da operação Lava Jato.

>> Conselho de Ética da Câmara indica lista de testemunhas contra Cunha