Ex-presidente da Assembleia de SP é preso em ação contra máfia da merenda

A Polícia Civil prendeu na manhã desta terça-feira (29) o ex-presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Leonel Julio, e o presidente da União dos Vereadores do Estado de São Paulo (Univesp), Sebastião Misiara. Os dois são acusados de ligação com a máfia da merenda. 

Leonel Julio, do antigo MDB, foi presidente da Assembleia de São Paulo entre 1975 e 1976, durante o regime militar. Ele teve o mandato cassado e perdeu os direitos políticos por dez anos. O filho dele, Marcel Ferreira Julio, foragido desde 19 de janeiro, foi apontado como lobista do esquema e a ligação da Coaf com a Alesp e o governo de São Paulo. 

Julio aparece em ligações telefônicas negociando com o ex-chefe de gabinete da Casa Civil, Luiz Roberto dos Santos, o Moita, por mudanças em um contrato da Coaf com o governo estadual. Moita diz que as tais modificações foram propostas pelo ex-chefe de gabinete da Secretaria de Educação, Fernando Padula. 

>> Estudantes protestam em São Paulo contra corrupção na merenda

Foram 17 mandados nas cidades de Bebedouro, Barretos, Severinia, Campinas e São Paulo -- dez deles de busca e apreensão e e os outros sete de prisão temporária. A Justiça também mandou prender Carlos Eduardo da Silva, Aluísio Girardia, Emerson Girardi, Luiz Carlos da Silva Santos e Joaquim Geraldo.

O atual presidente da Alesp, Fernando Capez (PSDB), seria o destinatário de propina conforme destacaram ex-dirigentes da Coaf, mas o deputado nega envolvimento. As denúncias também envolvem os deputados estaduais Luiz Carlos Gondim (Solidariedade) e Fernado Cury (PPS), os deputados federais Baleia Rossi (PMDB) e Nelson Marquezelli (PTB) e o secretário de Transportes e Logística Duarte Nogueira (PSDB).

Os mandados de prisão temporária foram expedidos pela Justiça de Bebedouro, interior paulista, e integram a 2ª fase da Operação Alba Branca, que investiga pagamento de propina em contratos superfaturados de merenda escolar com o governo do Estado e a pelo menos 22 prefeituras. A Operação aponta a Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar) como responsável pelo esquema.