Renan abre guerra contra PMDB da Câmara

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-RJ), declarou guerra à cúpula de seu partido, à parte da bancada de deputados da Câmara que defende o impeachment da presidente Dilma Rousseff e ao vice-presidente Michel Temer, presidente nacional da legenda.

Depois das críticas duras a Temer nesta quarta-feira (16), a quem Renan responsabilizou pela crise política do país muito em decorrência da conduta do PMDB como base aliada do governo, o presidente do Senado se recusou a receber a visita do líder Leonardo Quintão (PMDB-RJ) nesta tarde.

Quintão substituiu Leonardo Picciani no comando da bancada peemedebista. Assim como Renan, Picciani é atualmente um dos maiores aliados da presidente Dilma Rouseff. Por isso, em consonância com o Planalto, Renan vinha tentando reconduzir Picciani à liderança da qual foi deposto depois de tentar compor as oito vagas do PMDB na Comissão Especial do impeachment apenas com peemedebistas pró-governo.

O fato ocorre na esteira da decisão da Executiva Nacional do PMDB, também nesta quarta, de estabelecer que novas filiações sejam submetidas à direção nacional do partido. Renan vinha articulando a filiação de deputados da base aliada que, no PMDB, seriam votos para a recondução de Picciani.